Marcos Bezerra/Futura Press
Marcos Bezerra/Futura Press

Rodrigo Caio e o fair play: a jogada que invadiu o campo da ética

Atitude do zagueiro de revelar ter ele atingido o goleiro Renan, o que anulou cartão que Jô recebera, é aplaudida, mas há quem admita que não faria igual

Ciro Campos, Daniel Batista e Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

18 Abril 2017 | 07h00

A jogada mais importante das semifinais do Campeonato Paulista passou longe de discussões táticas, técnicas ou de arbitragem e invadiu o campo da ética. Atletas e ex-jogadores elogiaram a atitude do zagueiro Rodrigo Caio, que livrou o rival Jô de levar um cartão amarelo. O ato foi ainda mais valorizado porque o corintiano seria suspenso do próximo jogo. Por outro lado, muitos atletas admitiram que não teriam o mesmo espírito esportivo.

A voz mais importante a ironizar o jogo limpo foi do zagueiro Maicon, companheiro de Rodrigo Caio. “A gente deveria respeitar a atitude do Rodrigo. Se foi certo ou não, é da consciência de cada um. Mas eu prefiro a mãe do meu adversário chorando em casa do que a minha.”

Ex-jogadores fizeram coro. “Acho louvável, bacana, corretíssimo, tem de servir de exemplo para todo mundo, inclusive para a sociedade de um modo geral, mas eu acho que não faria, não”, declarou Edmundo, ex-jogador do Palmeiras e comentarista do canal Fox Sports

Conhecido pelo estilo irreverente e provocador, o ex-palmeirense Paulo Nunes também deixou o “politicamente correto” de lado. “Não vou ser hipócrita, eu buscava irritar os adversários, tirar proveito de uma situação”, confessou. 

O técnico Guto Ferreira, hoje no Bahia, compreende o comportamento. “Nós vivemos numa cultura em que a busca pelo pão do dia a dia faz com que as pessoas não meçam esforços para se dar bem”, disse. “Infelizmente, estamos acostumados a ver os jogadores buscando levar vantagem a qualquer custo”, completou Celso Roth, atualmente sem clube. 

O atacante Jô, principal beneficiado, afirmou que se sente em débito com o são-paulino para o jogo de domingo. “Essa atitude nos responsabiliza muito. Domingo, fomos os beneficiados. Se acontecer com a gente, temos que fazer igual.”

PARABÉNS

Várias entidades parabenizaram Rodrigo Caio. “Pequenas atitudes de grandes homens há décadas enobrecem o futebol paulista”, disse a página oficial da Federação Paulista no Facebook. “Estamos vivendo muito da malandragem e isso tem prejudicado o espetáculo. Pênaltis que os jogadores simulam não são fáceis para o árbitro”, disse Marcos Marinho, chefe de arbitragem da CBF.

A discussão se situa no território da ética, aquilo que não é obrigatório, mas que deve ser feito em nome do espírito esportivo e da ética. “A conduta de Rodrigo Caio indica dois horizontes. O primeiro é o espanto por ainda nos espantarmos pelo fato de alguém fazer o correto. O segundo é a alegria por ainda nos alegrarmos pelo fato de alguém fazer o correto. O primeiro horizonte nos adverte; o segundo nos anima”, disse o filósofo Mario Sergio Cortella ao Estado

Em fevereiro, a CBF criou um cartão para homenagear as boas atitudes na Copa Verde, competição do Norte do Brasil. Ao contrário do amarelo e do vermelho, a nova tarjeta – verde – tem conotação positiva e valoriza o fair-play. 

Entre os bons exemplos estão avisar o árbitro de que o jogador cometeu uma infração não percebida. “Lembro de ter visto lances parecidos na Europa, mas precisamos ter mais exemplos no Brasil”, diz Alberto Valentim, técnico do RedBull. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Análise: ‘Rodrigo Caio deu um exemplo de conduta ao esporte e ao Brasil’

Você teve a situação agora de alguém que não quer ganhar a qualquer custo

Renato Janine Ribeiro *, O Estado de S.Paulo

18 Abril 2017 | 07h00

Foi um feito fabuloso o do Rodrigo Caio. A tendência é pensar que nas situações vale tudo. No amor, por exemplo, dizem que vale tudo, porque vale mentir para conquistar uma mulher. Isso tem muito no futebol, principalmente pelo culto à malandragem. 

No momento em que a gente vê toda essa podridão surgindo, foi bom ver isso. Talvez podemos até dizer que, nesse momento ruim, você tem duas hipóteses: pode ser uma pessoa blasé e achar que como tudo vai ser podre temos que agir da mesma maneira ou repudiar isso e adotar o discurso de “queremos um Brasil melhor”. O que o jogador fez se encaixa nesse segundo exemplo.

Se você pegar as antigas lutas de cavalaria, o ideal era vencer de forma honesta. Então, vencer por causa de uma trapaça não é uma vitória. O que tivemos foi um caso público e notório, com testemunhas, de uma conduta que vai em outra direção. Só posso cumprimentar o jogador, pois deu um exemplo não só ao esporte como ao Brasil.

Vamos lembrar dos dois maiores jogadores de futebol, o Maradona e o Pelé. Você tem o episódio da ‘Mão de Deus’ que o argentino fez, na Copa de 1986, e tem o mito de que o Pelé tinha o talento para arrumar um pênalti ou uma falta. Você teve a situação agora de alguém que não quer ganhar a qualquer custo.

* É PROFESSOR DE ÉTICA E FILOSOFIA NA USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.