Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Romero torce para que jogo no Chile não tenha briga de torcida

No jogo de ida, torcedores da Universidad de Chile e jornalistas foram presos após tumultos com a Polícia Militar

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2017 | 17h19

O atacante Ángel Romero torce para que não aconteçam confrontos entre os torcedores na partida desta quarta-feira, em Santiago, em Corinthians e Universidad de Chile, pela Copa Sul-Americana. Na partida de ida, no começo de abril, quando o Corinthians venceu por 2 a 0, 24 chilenos foram presos após tumultos nas arquibancadas da Arena Corinthians. Pedaços de assentos do setor de visitantes do estádio foram arremessados em direção aos setores dos torcedores da equipe brasileira e houve confrontos entre os chilenos a Polícia Militar.

"O que aconteceu aqui ficou para trás. A torcida da Universidad começou a briga. Vamos lá para jogar, e a torcida do Corinthians vai torcer. Tomara que não aconteça nada. La U mostrou na arena que tem um time muito bom, joga um bom futebol, mas vamos defender o resultado", diz Romero em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira no CT Joaquim Grava.

Autor do gol corintiano na decisão do Campeonato Paulista, Romero afirma que superou as críticas da torcida. Contratado para o Campeonato Brasileiro de 2014, o paraguaio chegou a ouvir dos seus críticos que o Corinthians trouxera o Romero errado – o seu irmão gêmeo, o meia Óscar, foi vendido para o Racing antes de ser vendido ao Shangai Shenhua, da China, e emprestado ao espanhol Alavés. Romero ganhou espaço com o desmanche da equipe e a má fase dos reforços Guilherme, Marquinhos Gabriel, Giovanni Augusto e Marlone (emprestado ao Atlético Mineiro).

"Minha característica é essa. No Paraguai, eu também corria muito. Não tem bola perdida. Encaixei muito bem no Corinthians porque a torcida gosta de quem corre os 90 minutos. Eu queria isso, mas não tinha sequência de jogos. Hoje que estou tendo essa sequência, trato de fazer isso a cada dia. Mas, como atacante, tenho de fazer gols. Agora estou conseguindo voltar para defender, ajudar o time e também fazer os gols", disse Romero.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.