JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Rompido com a FPF, Palmeiras enche os cofres da entidade

Bilheterias astronômicas do clube no Paulistão garantem 38% de toda a verba arrecadada pela federação com taxas

Renan Cacioli, O Estado de S.Paulo

14 Abril 2018 | 07h00

Apesar da dor de cabeça que o Palmeiras vem causando ao desfecho do seu torneio mais nobre, a FPF (Federação Paulista de Futebol) não tem do que reclamar de seu filiado no aspecto financeiro. O clube é, disparado, o mais lucrativo para a entidade, graças às bilheterias astronômicas geradas pelo público no Allianz Parque neste ano.

+ Patrocinadora do Palmeiras assume camarote devolvido por Federação

+ Deputado propõe lei que obriga árbitros de futebol a revelarem time do coração

Como abocanha 7% da renda bruta de cada partida (5% previstos no Regulamento Geral de Competições e 2% para o Fundo de Valorização e Desenvolvimento do Futebol Paulista), a FPF viu entrar em seus cofres R$ 3.294.047,92 pelos 121 jogos da edição de 2018, sendo que 38% do montante vieram apenas de nove jogos do Palmeiras (R$ 1.258.206,95) – oito no Allianz e um no Pacaembu.

Na sequência, o segundo maior contribuinte é o Corinthians, que bancou 29% dessa bolada. São Paulo (9%) e Santos (6%), que não surfam na onda das modernas novas arenas, vêm bem atrás. Aliás, a FPF arrecadou só com essas taxas mais do que o Santos com toda a sua renda bruta.

Relações desfeitas

Depois da final do domingo passado, que continua indefinida graças ao inquérito para apurar se houve ou não interferência externa na arbitragem do dérbi, o Palmeiras anunciou publicamente o rompimento das relações com a Federação Paulista.

Trata-se mais de uma questão diplomática. Na prática, o clube vai continuar disputando os torneios organizados pela entidade e registrando seus jogadores na FPF – medida necessária para fazer a inscrição dos mesmos junto à CBF. No máximo, o clube deixará de comparecer a eventos, como aconteceu na festa de premiação pelos melhores do Paulistão, no dia seguinte à final do campeonato.

Porém, o rompimento já traz reações políticas. O Estado apurou que, por ordem do presidente da federação, Reinaldo Carneiro Bastos, a entidade não utilizará mais o camarote que tem à disposição no Allianz Parque. O espaço era utilizado para eventos corporativos e pelo próprio mandatário quando ia à arena acompanhar os jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.