Ronaldo chega mas não pega Fiorentina

Ronaldo voltou a jogar pela seleção, foi festejado e se torna principal esperança da torcida brasileira para a Copa. Mas para a Internazionale ele é dispensável. Pelo menos no momento. O craque retornou nesta sexta-feira à Itália, disposto a ajudar o time neste sábado com a Fiorentina, porém chegou em tempo apenas de cumprimentar seus companheiros, já no ônibus que os levaria a Florença. Também ficou sabendo que não estava no grupo, nem como opção para a reserva. A decisão de mais uma vez abrir mão de Ronaldo partiu do técnico Héctor Cúper. O argentino manteve a coerência e não cogitou sequer do aproveitamento do astro na partida em que a Inter tentará manter os três pontos de vantagem na liderança. O treinador continua convencido de que o Fenômeno está fora de forma. Além disso, considera arriscado colocá-lo em campo agora em que os jogos se tornam decisivos e com tendência a serem mais bruscos. ?Ele jogou 45 minutos no Brasil e sob esse ponto de vista devemos analisá-lo?, explicou Cúper. ?Li que saiu de campo cansado, o que é normal nas atuais circunstâncias?, ponderou. ?O importante é que está com boa vontade e quer colaborar. A partir deste sábado, retoma o ritmo normal de treinamentos, como está previsto.? O treinador deixou claro que não conta com Ronaldo a curto prazo. Em sua avaliação, o atacante precisa entender que é uma arma a mais da Internazionale na busca do título que persegue há 13 anos e não ?a? arma para alcançar esse objetivo. ?Fico satisfeito que ele queira jogar?, adiantou. ?Mas deve entender, por respeito a mim e ao grupo, que entrar em campo nesta fase é outra questão. No momento, há atletas que estão com mais ritmo.? Cúper optou por Vieri, que se recupera de torção no tornozelo, e pelo uruguaio Recoba, em grande forma. As alternativas são o italiano Ventola e o ganês Kallon. Com Ronaldo no banco, quem perde é a seleção, já que Felipão gostaria de vê-lo em ação com freqüência. O treinador da Inter passou batido pelo tema. ?Ronaldo está no caminho certo?, garantiu o treinador. ?O mais importante agora é manter a unidade e a atenção?, reforçou. ?Faltam seis rodadas para o fim da temporada e só aqueles que mantiverem o espírito de união é que conseguirão sobressair na reta final.? Ronaldo aparentemente entendeu o recado. Com uma jaqueta jeans e calça vermelha se apresentou logo pela manhã no centro de treinamentos La Pinetina, em Appiano Gentile, e mal teve tempo de conversar com seus colegas. O astro chegou em cima da hora da partida do ônibus e fez com que a viagem começasse com alguns minutos de atraso. Ele fez questão de cumprimentar a todos e trocou aperto de mão e duas ou três frases com Cúper. Nem questionou os motivos que o levaram a ficar fora até do banco. Antes da viagem de regresso, quinta-feira, havia dito que se colocaria à disposição para enfrentar a Fiorentina. ?Estou bem, curado e superei os problemas?, havia afirmado. ?Espero ser útil ao time antes que o campeonato termine.? A Inter tem 59 pontos e enfrentará um rival desesperado e a meio passe do rebaixamento. A Fiorentina, em um dos piores momentos de sua história, está com 22 pontos e ocupa a penúltima colocação, só à frente do Venezia, com 16. O Lecce tem 24 pontos e só depois aparece a Udinese com 31. Na Itália, caem os quatro últimos. Um dos poucos destaques do time toscano é o brasileiro Adriano, emprestado pela Inter.

Agencia Estado,

29 Março 2002 | 12h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.