Ronaldo: Cúper é o pivô da crise

O clima de guerra que se instalou entre o atacante Ronaldo e a diretoria da Inter de Milão tem um nome: o técnico argentino, Hector Cúper. A revelação foi feita nesta quinta-feira por Reinaldo Pitta, um dos representantes do jogador. Segundo ele, Ronaldo não tem problema com Massimo Moratti, o presidente da Inter, mas com o treinador. Por conta disso, avisou que Ronaldo não joga mais no clube italiano. Pitta desmentiu a informação de Moratti segundo a qual haveria um acordo para que Ronaldo permanecesse no clube por mais um ano. ?Esta proposta não nos interessa, em absoluto. Se Moratti diz que ele permanecerá na Inter ele ficará, mas não vai jogar com Cúper. O problema de Ronaldo não é com Moratti, mas com Cúper?, afirmou. "Se Moratti obrigá-lo a ficar, ele ficará, porém uma coisa é certa: ele não jogará uma partida sequer pela Inter?, repetiu. Em declarações publicadas pelo diário espanhol ?AS?, o agente explicou pelo menos em parte os motivos da crise. Contou que três meses antes da Copa, Moratti chegou a dizer que não havia jogadores inegociáveis no clube e que, por causa disso, todos estavam liberados para negociar com outras equipes. Na época, segundo Pitta, o dirigente teria dito que o único insubstituível era o técnico Héctor Cúper. ?Para nós, a situação não mudou nada desde então e Ronaldo está livre para negociar?. O jogador negocia sua transferência para o Real Madrid e alguns jornais espanhóis informam hoje que Ronaldo sequer vai viajar de volta para a Itália. Do Rio, onde está hoje, ele seguiria direto para Madri. Ronaldo jogou por 30 minutos no amistoso Brasil x Paraguai, ontem em Fortaleza, em comemoração pelo pentacampeonato mundial. Foi o primeiro jogo oficial dele desde o final da copa.

Agencia Estado,

22 Agosto 2002 | 12h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.