Ronaldo envolvido em incidente com travestis

Jogador, que se recupera de cirurgia no joelho esquerdo, é acusado de não ter pago programa

Redação,

28 Abril 2008 | 20h10

O atacante Ronaldo, do Milan, envolveu-se num incidente na manhã desta segunda-feira com três travestis num motel na Barra da Tijuca, zona oeste da cidade, e teve de prestar depoimento na 16.ª Delegacia de Polícia, acusado por um deles de tentativa de agressão. O travesti André Luís Ribeiro Albertino, conhecido como Andréia Albertini, fez a queixa ao delegado Carlos Augusto Nogueira e disse ainda que Ronaldo não lhe pagou o combinado por um encontro. O jogador, em seu depoimento, rebateu a acusação e afirmou que foi vítima de uma tentativa de extorsão por parte de Andréia Albertini - teria pedido R$ 50 mil ao craque. O delegado, em entrevista coletiva no início da noite, disse que vai determinar a abertura de inquérito para apurar o caso. Pouco antes, o advogado de Ronaldo, Amir Bocayuva, em conversa com o Estado, confirmou que seu cliente teve um problema pela manhã. "Eu conversei com o delegado da 16.ª DP, ele fez um registro de ocorrência de fato atípico, não tem nenhum crime nisso", declarou Bocayuva. A informação até o início da noite era que Andréia Albertini teria relatado na delegacia apenas sua indignação com o não-pagamento do encontro. "Ele não me fez nenhuma ameaça de agressão, mas disse que era o Ronaldo e que eu não era ninguém e que nunca mais eu ia fazer ponto na Sernambetiba (atual Avenida Lúcio Costa, de frente para o mar)", disse Andréia Albertini, por telefone. Ronaldo esteve no domingo no Maracanã para ver o jogo do Flamengo com o Botafogo, pelo Campeonato Carioca. Depois, seguiu para a Boate 021, na Barra, de onde teria saído por volta das 4 horas da madrugada. Em seu relato na 16.ª DP, disse que ao deixar o local se sentia triste, por causa dos últimos obstáculos em sua carreira - está no Rio para se recuperar de uma grave lesão no joelho esquerdo. "Ele contou que precisava de alguém para extravasar. Então, ele passou pela Sernambetiba e contratou uma ‘prostituta’. Seguiram (no Ford Fusion de Ronaldo) para o Motel Papillon, onde ela chamou mais duas amigas. Pouco depois, Ronaldo constatou que se tratavam de três travestis e a confusão começou", disse o delegado Carlos Augusto Nogueira. No depoimento, Ronaldo afirmou que não manteve relação sexual com nenhum deles e recusou a oferta de droga, que lhe teria sido feita por Albertini. "Delegado, sou um atleta vencedor, jamais consumi cocaína." De acordo com Nogueira, Ronaldo demonstrava estar muito abatido com o incidente, mas falava com firmeza, sem sequer parecer que tinha consumido bebida alcoólica em excesso. "Ele me disse que não merecia o que estava acontecendo." Com a abertura de inquérito, Ronaldo terá de voltar à delegacia para novo depoimento.

Mais conteúdo sobre:
Ronaldo travestis AC Milan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.