1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Sabella está preocupado com pouco tempo de descanso

Felipe Rosa Mendes - Agência Estado

09 Julho 2014 | 22h 25

Após eliminar a Holanda hoje em Itaquera, os argentinos vão ter que fazer a final no próximo domingo no Maracanã

Apesar do clima de alegria pela vitória que devolveu a Argentina a uma final de Copa do Mundo, o que não acontecia há 24 anos, Alejandro Sabella não deixou de demonstrar preocupação com o preparo físico dos seus jogadores para a decisão, no próximo domingo. O treinador até reclamou do menor tempo de recuperação em relação à Alemanha, que garantiu seu lugar na decisão na última terça-feira ao golear o Brasil por 7 a 1.

"Teremos um dia a menos de descanso", reclamou o treinador, após a vitória sobre a Holanda nos pênaltis, após 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação. "E a Alemanha praticamente definiu seu jogo no primeiro tempo contra o Brasil. Depois eles puderam relaxar, poupar forças. Nós, por outro lado, tivemos que gastar tudo, até a última gota de suor hoje (quarta)".

O elenco argentino já vinha sofrendo desgaste físico por causa do horário de suas partidas. Dos seis jogos disputados até agora, o time jogou quatro sob o calor das 13 horas. O cansaço chegou ao limite na partida desta quarta, quando a Argentina precisou ficar 120 minutos em campo para buscar a vaga na final. "Já havíamos tido um dia de descanso a menos que a Holanda antes deste jogo", destacou Sabella.

Sabella mostrou preocupação em relação ao preparo físico do time argentino para jogo neste domingo
Sabella mostrou preocupação em relação ao preparo físico do time argentino para jogo neste domingo

O técnico acredita que o forte desgaste pode causar prejuízos ao elenco antes da final, como nos casos das lesões de Sergio Agüero e Angel Di María. "Agora vamos descansar e aproveitar a vitória. E amanhã (quinta) vamos ver nossos ''feridos de guerra''". Agüero voltou a jogar nesta quarta, no segundo tempo, enquanto Di María ainda é dúvida para a decisão.

Independente de contar com força máxima no domingo, o treinador argentino diz esperar uma partida complicada contra a Alemanha, digna de uma final de Copa. "Contra eles, vamos fazer um trabalho com muita seriedade para fazer o possível para chegarmos a nosso nível máximo", enfatizou, antes de enumerar as qualidades do futuro rival.

"Admiro dois países quando se trata de futebol, o Braisl e a Alemanha. Os alemães sempre demonstraram ser uma grande potência física e tática, uma poderosa força mental. É um país efetivamente de primeiro mundo, que sabe trabalhar a médio e longo prazo", exaltou, ao destacar o trabalho conduzido pelo técnico Joachim Löw à frente do time alemão. "Eles sabem o que é trabalho em equipe, sabem o que é organização. Veremos o que vai acontecer no domingo".

Copa 2014