1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Em comunicado, Sadia diz que não é mais patrocinadora da CBF

- Atualizado: 29 Janeiro 2016 | 22h 37

Entidade perde seu segundo grande anunciante em 2016

A crise de credibilidade que atingiu a CBF nos últimos meses começa a afetar financeiramente a entidade. Na noite desta sexta-feira, a Sadia, que até então era um dos maiores patrocinadores da confederação, anunciou o rompimento do contrato que iria até 2022. Dias atrás, a Petrobras havia deixado de patrocinar a Copa do Brasil. É possível que nos próximos semanas outras empresas desistam de sua ligação com a CBF, e por consequência, com a seleção brasileira.

O contrato com a Sadia foi assinado em 2013, ano em que o Brasil venceu a Copa das Confederações. O acordo colocaria nos cofres da CBF um total de R$ 100 milhões. A empresa, que tem a BRF como controladora, entrou no lugar da Seara, praticamente enxotada pela direção da confederação após atrasar alguns repasses mensais. Em represália, as placas publicitárias da empresa foram retiradas do local em que a seleção treinava.

Coronel Nunes, novo presidente da CBF

Coronel Nunes, novo presidente da CBF

Na época, a CBF era presidida por José Maria Marin, atualmente cumprindo prisão domiciliar nos Estados Unidos por envolvimento em casos de recebimento de propinas por contratos de transmissão de TV e de marketing de competições como a Copa América e a Copa do Brasil - o torneio que acaba de perder o apoio da Petrobras.

A Sadia já estudava o rompimento do contrato no segundo semestre do ano passado, quando se fortaleceram os indícios de que Marco Polo Del Nero, presidente licenciado da CBF, também sera investigado pelo FBI. A decisão de desvincular sua imagem da da CBF foi tomada antes de Del Nero se licenciar, primeiro para colocar interinamente Marcus Vicente na presidência e depois para nomear o coronel Antonio Nunes como provisório e oficializada nesta sexta-feira.

A empresa do ramo alimentício não deu maiores detalhes sobre sua decisão.  Limitou-se a distribuir nota, por meio da BRF. Mas nos bastidores a delicada situação da cartolagem que comanda a CBF foi apontada como motivo do rompimento.

Isso também levou a Petrobras a se desvincular da Copa do Brasil. A empresa passa por grave crise financeira por causa dos desmandos que levaram à operação Lava-Jato e pela queda no preço do petróleo e está revendo seus investimentos. Mas no caso da CBF, a péssima imagem da entidade também contou para a decisão.

O contrato da estatal era com a Klefer Produções e Promoções, que detém os direitos de comercialização de placas da Copa do Brasil e também está sendo investigada pelo FBI. O acordo iria até 2018, por R$ 6 milhões/ano.

Em dezembro, a Proctor & Gamble, detentora da marca Gillette, também havia rompido o acordo com a CBF, que rendia cerca de R$ 5 milhões anuais à entidade.

NOTA

A Sadia informa que desde janeiro de 2016 não integra mais o pool de patrocinadores da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). A decisão ocorre no momento em que a marca está reavaliando sua estratégia de patrocínios. Com longo histórico de associação ao esporte, a Sadia orgulha-se em incentivar seus consumidores a levar uma vida saudável e equilibrada, seja por meio do consumo de refeições balanceadas e/ou prática de esportes.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX