1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Santos e São Paulo fazem 'clássico dos desfalques' na Vila

Time da casa tem cinco na seleção; Ganso e Michel Bastos fora

Gonçalo Junior

Escalar Santos e São Paulo para o clássico de hoje, na Vila Belmiro, tornou-se um exercício de adivinhação para os torcedores diante de tantos desfalques. Existem pistas, mas não dá para cravar como Dorival Junior vai montar o time sem os cinco titulares que estão na seleção; também é difícil descobrir como Edgardo Bauza vai se organizar sem Ganso, o astro da temporada, lesionados importantes, como Michel Bastos, e outros também na seleção. O clássico, portanto, será disputado com poucas estrelas.

O São Paulo tem várias baixas por lesão, como Rogério, Breno, Wesley e Michel Bastos, que chegou a treinar entre os titulares durante a semana, mas sentiu novamente a lesão na coxa direita. Além disso, foram convocados para as seleções (Mena e Rodrigo Caio). A principal ausência, no entanto, é Ganso, artilheiro da temporada, que vai cumprir suspensão.

Camaronês Joel, contratado do Coritiba, é um dos principais reforços do Santos para temporada

O São Paulo encara um tabu na Vila, já são sete anos sem vitórias. O último triunfo foi em outubro de 2009 pelo Campeonato Brasileiro. De lá para cá, 10 jogos no estádio, com sete vitórias do Santos e três empates.

Nesse cenário, o argentino Jonathan Calleri será um das estrelas solitárias. Herói da vitória contra o Botafogo, ele encerrou um jejum de onze jogos e quer resgatar a boa impressão inicial, quando anotou três gols nos dois primeiros jogos.

Calleri salvou o time com gol nos descontos

A dor de cabeça é maior do lado santista. Ricardo Oliveira, Lucas Lima e agora Gabriel estão na seleção principal; Thiago Maia e Zeca foram chamados para o time olímpico. Eles formam a espinha dorsal da equipe. Duas peças já estão praticamente confirmadas. Joel será o substituto de Ricardo Oliveira e Alison herdará a vaga de Thiago Maia. Dorival Junior tenta ver o lado bom. “Temos que colocar na cabeça que temos cinco jogadores que estavam fora e terão uma chance. Na verdade, são cinco reforços”, disse o técnico.

Ao contrário das campanhas recentes, quando se destacava pelos ataques infernais, o Santos de 2016 brilha mais na defesa. Já são quatro jogos seguidos sem tomar gols. “Todos se empenhando na marcação. Acho que isso ajuda muito e fortalece um sistema ofensivo”, diz o zagueiro Gustavo Henrique.

Santos e São Paulo sofrem com a falta de público

Rivais não têm empolgado torcedores e acumulam prejuízos

Gonçalo Junior

27 Março 2016 | 13h 25

O Santos diminuiu o preço dos ingressos para atrair torcedores para o clássico deste domingo. As arquibancadas foram reduzidas de 60 para 40 reais. Mesmo assim, a expectativa da diretoria é de cerca de 12 mil torcedores. O São Paulo também sofre com a falta de público. No último jogo, a vitória diante do Botafogo teve o menor público desde 2005, com 2.970 espectadores no Pacaembu. 

A falta de público tem sido um problema das duas equipes na temporada. Tirar jogos da Vila Belmiro e levá-los para o Pacaembu é uma prática comum no Santos há vários anos para contornar o problema. Com média histórica na casa de oito mil pagantes em seu estádio, o clube procura aproveitar a maior capacidade do Pacaembu para atrair mais público. 

Vila Belmiro sofre com poucos torcedores durante jogo do Santos

Em São Paulo, o público tem sido satisfatório, mas a renda, não. A diretoria do Santos comemorou os 16.035 pagantes na vitória por 1 a 0 sobre o Água Santa, mas perdeu o entusiasmo diante da arrecadação. Os ingressos mais baratos – R$ 20 (no Tobogã, com R$ 10 a meia) – geraram uma renda de R$ 436.880, valor considerado baixo pela cúpula do clube. No clássico com o Corinthians, disputado na Vila Belmiro, apenas 9.635 pessoas compareceram, mas a renda foi de R$ 382.880. 

O presidente Modesto Roma Junior não abre mão da Vila nos jogos decisivos. Os jogadores também preferem o Alçapão. “A torcida fica mais próxima e joga junto com a gente. A Vila é a nossa casa”, diz o zagueiro Gustavo Henrique. 

MORUMBI

O São Paulo comemora o fim da reforma do Morumbi não apenas pela questão emocional de atuar em seu estádio. O motivo principal é financeiro. Nos sete jogos no Pacaembu pelo Campeonato Paulista, o São Paulo teve prejuízo total de quase R$ 100 mil. 

Apenas quatro jogos deram lucro, mas não conseguiram equilibrar as contas do time tricolor. Contra o Botafogo-SP, na quarta-feira, o prejuízo foi de R$ 131.120. 

A diretoria aponta várias razões para o baixo público, desde a crise econômica do País até as más atuações da equipe. “A derrota para o The Strongest deixou o torcedor um pouco desanimado”, afirmou o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. 

Na próxima partida como mandante, dia 2 de abril, diante do Oeste, o São Paulo vai atuar no Morumbi. “É o reforço que faltava. É a nossa casa, e somos mais fortes jogando lá”, diz o zagueiro Diego Lugano. 

Os números mostram a importância do estádio para o clube. No total, o São Paulo já disputou 1.598 partidas no local, com aproveitamento de 67%: 947 vitórias, 391 empates e 260 derrotas. 

Dentre as inovações, estão as substituições das traves, que agora serão no padrão Fifa, e o ajuste no tamanho do gramado. O campo do Morumbi media 108,25 m x 72,70 m, mas depois das obras também será padrão Fifa: 105 m x 68 m. A nova demarcação de linhas do campo utiliza um moderno sistema.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX