São Caetano deve dispensar jogadores

A mudança no comando técnico do São Caetano é somente o primeiro passo naquela que vai ser a reformulação mais profunda pela qual passará o time desde sua ascensão à elite do futebol brasileiro. Com a chegada do novo treinador, boa parte do grupo de jogadores deve ser modificada. Apenas na comissão técnica as mudanças não devem ser tão profundas. A diretoria pretende contratar um treinador ?de ponta? e Nelsinho Baptista é o mais cotado. Porém, sem contar com os mesmo recursos dos times ?grandes?, o clube do ABC não teria condição de bancar os salários de uma comissão completa, apenas do técnico. Ficariam, assim, preservados os empregos dos atuais funcionários, como médicos, preparador-físico e de goleiro e auxiliares. Já entre os atletas a situação é distinta. Nomes como os do lateral-esquerdo Rubens Cardoso, do lateral-direito Russo e do atacante Somália fazem parte de uma relação de dispensáveis. O meia Robert, que tinha contrato até o final da Taça Libertadores, é outro que está longe do ABC. Embora afirme que sua permanência não está relacionada à conquista do campeonato continental, dá a entender que seu destino vai ser a Vila Belmiro. "Eu gostaria de continuar por aqui, mas tenho de me apresentar ao Santos na semana que vem", afirmou. O meia Adãozinho e o goleiro Sílvio Luiz só esperam por propostas para tentar negociar uma transferência. Outro lado - Enquanto alguns estão de saída, outros são aguardados para reforçar o time no Campeonato Brasileiro. O principal deles é o atacante Adhemar, principal artilheiro da história do São Caetano com 45 gols. Já o zagueiro Dininho, com contrato assinado até 2004, garantiu que fica no clube. "Estou tranqüilo com relação a minha permanência por aqui", disse. A estréia da equipe será contra o Paraná, no dia 10, às 16 horas, no Pinheirão, em Curitiba.

Agencia Estado,

01 Agosto 2002 | 21h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.