1. Usuário
Assine o Estadão
assine

São Paulo bate Santos e vira vice-líder do Brasileirão

Paulo Favero - O Estado de S. Paulo

24 Agosto 2014 | 18h 16

Com boas atuações, Paulo Henrique Ganso e Alexandre Pato marcam e deixam o time tricolor a apenas quatro pontos do Cruzeiro

Alexandre Pato conseguiu se redimir dentro do jogo e fez o gol da vitória do São Paulo sobre o Santos, por 2 a 1, no Morumbi. Com o quarto triunfo, o São Paulo chegou à vice-liderança do torneio e ensaia uma perseguição ao líder Cruzeiro. O Santos, que havia conseguido empatar com Gabriel, está mais longe da Libertadores. 

"Queria muito fazer o gol. Perdi uma chance, mas consegui aproveitar a outra chance. Temos nos esforçado e os gols estão saindo", disse Pato. 

O gol de Pato foi o símbolo de uma grande atuação do quarteto ofensivo, que também tem Kaká, Kardec e Ganso, autor do primeiro gol, com um belo chute de virada. Todos mostraram talento, empenho na marcação e um poder letal de decisão. Todos os onze últimos gols do time foram feitos pelo quarteto. 

"Desde a última quarta-feira (vitória contra o Inter), estamos comprometidos com a marcação. Temos de dar espetáculo e mostrar resultado", disse Ganso, que foi chamado de "genial" por Rogério Ceni. 

No início do jogo, o Santos decidiu esperar para contra-atacar. O mais lúcido era o meia Lucas Lima, que sempre tentava um passe inovador. Levou um perigo danado aos 4 minutos, com uma falha de Paulo Miranda e Edson Silva.

O São Paulo conseguiu neutralizar as jogadas com o mesmo expediente que havia mostrado na vitória sobre o Inter no Sul: Ganso e Kaká se esforçaram na marcação no meio, acompanhando os laterais. 

Mesmo com o leme do jogo nas mãos e maior posse de bola, o São Paulo era muito lento e demorava uma eternidade para passar do meio para o ataque. Só acelerou aos 21. Pato para Paulo Miranda, que conseguiu finalizar. Aranha defendeu.

Dois minutos depois, Ganso atendeu aos inúmeros pedidos do Muricy Ramalho e se aproximou do gol. Jogou dentro da área e mostrou que esse também é o seu hábitat. Aos 23, ele chutou de virada. Belo gol, seu quarto no Brasileirão. 

Quase instintivamente, o Santos foi ao ataque com a desvantagem. Ficou mais tempo com a bola, Arouca começou a ajudar Lucas na armação, mas a equipe só adotou uma postura realmente ofensiva quando Oswaldo de Oliveira trocou o estático Damião pelo espevitado Rildo; Thiago Ribeiro ficou aberto na direita e Gabriel, no centro. Essa deveria ter sido a escalação inicial, mais contundente e equilibrada. A equipe do litoral conseguiu ficar mais tempo no ataque e criou boas chances, como uma cabeçada de Edu Dracena, aos 20 minutos. 

A resposta são-paulina, no entanto estava engatilhada, na ponta da língua. Com papéis invertidos, o time da casa armou o contra-ataque e conseguiu executá-lo em dois momentos. O mais importante foi criado por Ganso, que roubou a bola de Souza e tocou para Pato. Depois do cartão amarelo no início, esse foi seu segundo erro no jogo: chutou em cima do goleiro santista e perdeu a chance de definir o jogo. 

O castigo para os são-paulinos veio quando Álvaro Pereira derrubou Rildo. Pênalti. Gabriel converteu aos 40. Pato conseguiu se redimir após belo passe de Denilson. Precisou de duas tentativas, mas confirmou a ascensão do São Paulo no torneio. E também a sua própria.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 2 X 1 SANTOS

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rafael Tolói, Edson Silva e Álvaro Pereira; Souza, Denilson, Paulo Henrique Ganso e Kaká (Hudson); Alexandre Pato (Michel Bastos) e Alan Kardec. Técnico: Muricy Ramalho.

SANTOS - Aranha; Cicinho, David Braz, Edu Dracena e Mena; Alison (Souza), Arouca e Lucas Lima; Thiago Ribeiro (Pato Rodríguez), Gabriel e Leandro Damião (Rildo). Técnico: Oswaldo de Oliveira.

GOLS - Paulo Henrique Ganso, aos 23 minutos do primeiro tempo; Gabriel (pênalti), aos 40, e Alexandre Pato, aos 42 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Vinicius Furlan (SP).

CARTÕES AMARELOS - Alexandre Pato, Rafael Tolói, Ganso, David Braz, Paulo Miranda, Vladimir, Álvaro Pereira e Gabriel.

RENDA - R$ 955.453,00.

PÚBLICO - 31.281 (presentes).

LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo.