São Paulo quer construir 3 estádios para Copa de 2014

São Paulo pretende construir três novos estádios e reformar o Morumbi para conseguir que o Brasil se torne a sede da Copa de 2014. Após o Mundial da Alemanha, a Federação Paulista de Futebol enviará um dossiê para a CBF com a proposta do que poderá oferecer para a campanha brasileira. Pelo projeto, porém, o Pacaembu seria ignorado e não receberia nenhuma partida do torneio. A candidatura do Brasil para a Copa de 2014 foi um dos temas do almoço entre o presidente da Fifa, Joseph Blatter, e a cúpula da CBF, nesta quarta-feira, em Weggis, na Suíça. A Fifa irá decidir a sede da Copa de 2014 em dois anos, mas há dois meses Blatter alertou que o Brasil não teria um só estádio em condições para sediar o Mundial. Mesmo assim, Ricardo Teixeira garante que o País irá cumprir as obrigações. "Vamos conseguir", disse o presidente da CBF. A CBF deverá entregar um plano à Fifa já no próximo ano. Por isso, a entidade enviou um comunicado a todas as federações estaduais para que cada uma possa dizer o que oferecerá em termos de estádios para a Copa. "Precisamos ter oito estádios em condição, além de dois outros extras. Enfim, teremos que construir muitos estádios e reformar outros", afirmou o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que adiantou que já tem contatos com a "iniciativa privada" para que o Brasil esteja pronto. Proposta paulista Em São Paulo, a idéia é de que quatro estádios fiquem à disposição. Um deles seria o Morumbi, que ainda passaria por uma reforma para se adequar às exigências da Fifa. Segundo Marco Pólo del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol e chefe da delegação brasileira na Copa da Alemanha, outra iniciativa será a construção de um estádio do Santos em Diadema para cerca de 50 mil pessoas. A FPF também aposta nas promessas de construção de um estádio para o Corinthians e de um outro em Barueri, cidade que acaba de ganhar um time na primeira divisão do Campeonato Paulista.

Agencia Estado,

24 Maio 2006 | 18h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.