1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

São Paulo sofre, mas avança à fase de grupos da Libertadores

- Atualizado: 11 Fevereiro 2016 | 00h 28

Rogério fez o gol que acabou com o desespero no Pacaembu

O São Paulo precisou chegar ao limite do desespero para conseguir confirmar a vaga na fase de grupos da Copa Libertadores. O gol salvador do talismã Rogério, aos 42 minutos do segundo tempo, confirmou a vitória por 1 a 0 sobre o Cesar Vallejo, do Peru, nesta quarta-feira, pela fase preliminar da competição.

Rogério teve o nome pedido pela torcida durante todo o segundo tempo. Dois minutos após entrar,  aproveitou sobra de escanteio para tirar o time do sufoco. O São Paulo dominou o jogo inteiro e por não finalizar com qualidade, transformou uma partida dominada em uma confronto tenso.

Rogério comemora o gol da vitória do São Paulo no Pacaembu
Rogério comemora o gol da vitória do São Paulo no Pacaembu

A equipe perdeu pênalti, gastou tempo em jogadas sem ofensividade e deu espaço para o azar do vexame aparecer. Sorte do clube que a salvação veio. A classificação sofrida faz o São Paulo chegar sob desconfiança na fase de grupos. Os rivais serão o atual campeão River Plate, da Argentina, o Trujillanos, da Venezuela, e The Strongest, da Bolívia, adversário já na próxima semana, no Pacaembu.

A torcida compareceu, esgotou os ingressos e já tem um novo xodó em 2016. Calleri foi o mais aplaudido na apresentação do time titular e ganhou até música dos são-paulinos. A entrada dele como titular foi de última hora. Alan Kardec acordou com amigdalite aguda e sem condições de atuar.

O grande favoritismo do São Paulo ruía à cada ataque barrado pela retranca peruana. O Cesar Vallejo não hesitou em se fechar na defesa mesmo que o empate sem gols o eliminasse. Com faltas e muita enrolação a cada bola parada, os visitantes fizeram a partida ficar truncada e ser um teste de paciência ao afoito time paulista.

Ganso, enfiado entre os atacantes, sumiu em meio aos adversários de camisa cor de laranja e não conseguia organizar o time. A bola quase sempre chegava ao ataque pelos pés de Centurión. Empenhado e um pouco desajeitado, o argentino era o retrato do estilo da equipe no primeiro tempo.

O São Paulo levou mais de 20 minutos para dar um chute a gol. O time estava ansioso, rodava a bola de um lado para outro e não arriscou chutes de longe. Quando conseguia uma fresta de espaço para chegar à área, algum erro individual atrapalhava a finalização.

A primeira etapa encerrada com um 0 a 0 gerou nos são-paulinos a mesma sensação do jogo de ida, o empate por 1 a 1 no Peru. O time era melhor, mais técnico com mais de posse de bola e superior em quase todo critério comparativo possível. Porém, incapaz de traduzir isso em calma e gols para confirmar esse poderio.

O empate se transformou em drama no segundo tempo. Como não matava o jogo, o São Paulo alimentava a própria angústia e a expectativa do Cesar Vallejo de concretizar a zebra em algum lance fortuito. O fantasma ganhou força no pênalti perdido. O árbitro marcou falta discutível de Riojas em Ganso no começo da segunda etapa e Michel Bastos se apresentou para cobrar. O novo capitão do time deslocou o goleiro, mas acertou a trave.

A oportunidade perdida logo aos 6 minutos aumentou demais o nervosismo. A equipe passou a querer compensar a qualquer custo o erro e ficava agoniada ao ver que o Cesar Vallejo não mudava a postura. Acuado, o time peruano permanecia na retranca. O roteiro de tortura para os são-paulinos incluiu nos 15 minutos finais duas bolas na trave em ataques seguidos. Calleri de carrinho e Hudson, em chute de fora da área, fizeram o Pacaembu ficar mais ansioso.

Com a torcida já de pé nos minutos finais a salvação veio com Rogério, que colocou o clube na próxima fase.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO: Denis; Bruno, Lucão, Rodrigo Caio e Mena (Carlinhos); Thiago Mendes e Hudson; Michel Bastos, Ganso (Rogério) e Centurión (Wesley); Calleri Técnico: Edgardo Bauza

CESAR VALLEJO: Libman; Riojas, Canova, Cardoza (Vidales) e Guizasola; Ciucci, Morales, Quinteros, Millan e Hohberg; Montes  (Chavez) Técnico: Franco Navarro

Árbitro: Christian Ferreira (URU)

Cartões amarelos: Montes, Mena, Millan, Riojas, Michel Bastos

Gol: Rogério, aos 42 minutos do segundo tempo

Renda: R$ 1.951.395,00

Público: 32.567

Local: Pacaembu, em São Paulo (SP)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX