1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

São Paulo tenta organizar time para 'blindar' garotos

- Atualizado: 11 Janeiro 2016 | 19h 18

Comissão técnica quer evitar expor jovens jogadores da defesa

Logo no começo da pré-temporada do São Paulo o técnico argentino Edgardo Bauza reuniu os jogadores e passou prontamente o que queria ver de diferente no time. Em vídeo de partidas do ano passado, mostrou erros de posicionamento da defesa, falta de compactação nas linhas e chamou a atenção para como tudo podia ser corrigido. O elenco assimilou o pedido e considerou que aplicar as alterações vai evitar expor os jovens zagueiros do time às vaias.

O setor defensivo do São Paulo sofreu muito em 2015, ao levar 31 gols de rivais paulistas em clássicos ao longo do ano. Nas duas últimas derrotas, os 3 a 1 para o Santos e nos 6 a 1 contra o Corinthians, a dupla de zaga foi formada por garotos das categorias de base, que sofreram as cobranças e a insatisfação da torcida por atuarem em um time que no entender de Bauza, jogava de forma desportegida.

Bauza orienta defesa durante treino do São Paulo

Bauza orienta defesa durante treino do São Paulo

"Temos jogadores jovens e de qualidade. Muitos ficaram expostos no ano passado. Um grande exemplo é o Lucão, que a torcida pegou no pé em jogos dentro de casa, vaiou. Acho que essa cobrança foi um pouco exagerada", defendeu nesta segunda-feira o atacante Alan Kardec. O zagueiro Lucão, de 19 anos, foi titular nesses clássicos contra Santos e Corinthians. Uma semana depois dos 6 a 1, o defensor foi bastante criticado pela torcida em jogo no Morumbi, com o Figueirense, e ficou bem abalado.

Na mesma condição, jogadores como o zagueiro Lyanco, de 18 anos, e o lateral-esquerdo Matheus Reis, de 20, sofreram para ter continuidade no time. Os dois foram titulares na derrota para o Santos, pela semifinal da Copa do Brasil, quando o São Paulo jogou de forma bastante ofensiva e nos 23 primeiros minutos, levou três gols. Depois dessa partida, ambos tiveram poucas chances.

Com poucos reforços previstos para o ano e o enxuto elenco de 26 jogadores, a probabilidade do São Paulo precisar dos garotos da base é grande. Por isso o time quer arrumar a defesa para evitar expor ao desgaste com a torcida atletas que no futuro tem potencial de negociação, como é o caso de Lucão, que tem passagens por todas as categorias das seleções brasileiras de base.

Em todos os trabalhos em 2016 o treinador argentino enfocou o posicionamento defensivo. O problema foi algo recorrente no São Paulo no ano passado e até mesmo um ex-treinador da equipe, Doriva, apontou o defeito logo que chegou ao cargo, em outubro. Bauza, agora com mais tempo para preparar a equipe, tem sido muito participativo nos treinos e nas orientações táticas.

"Vamos aprendendo o que ele quer aos poucos. Ele tem orientado para estarmos sempre compactados. Deu para perceber que os detalhes fazem a diferença. A tendência é que o time cresça muito de rendimento, porque ainda estamos apenas no começo de trabalho", destacou Kardec, que agora assume o papel de jogar como o atacante centralizado, função preferida do jogador de 26 anos.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EsportesX