São Paulo vence Palmeiras e está na quartas-de-final

Não foi tão fácil como a maioria dos são-paulinos imaginavam, mas ainda assim o time do Morumbi venceu o Palmeiras por 2 a 1 nesta quarta-feira à noite, diante de mais 50 mil pagantes no seu estádio, no jogo da volta das oitavas-de-final da Copa Libertadores da América, e garantiu vaga nas quartas-de-final da competição. Agora, o atual campeão da América espera pelo vencedor do confronto entre Goiás e Estudiantes. Os argentinos ganharam o primeiro jogo por 2 a 0 e decidem a vaga nesta quinta, em Goiânia. O São Paulo não tomou conhecimento do rival e começou com tudo. Marcou a saída de bola e armou uma verdadeira blitz no ataque. Aos 12 minutos, Danilo perdeu a primeira grande chance ao carimbar o travessão de Sérgio. No minuto seguinte, não teve erro: Souza cruzou na medida para Aloísio, que cabeceou em cima de Sérgio e ganhou o rebote de Thiago Gomes: 1 a 0. Para piorar a situação do Palmeiras, Marcinho disputou uma jogada com Souza no ataque, sentiu uma lesão na altura da virilha e teve de ser substituído. Sem um atacante de ofício no banco de reservas, Marcelo Vilar pôs em campo o meia Cristian. Eram 18 minutos de jogo. Aos 24, quase Sérgio acaba de vez com o moral palmeirense. Ele tentou espalmar uma bomba de Danilo e quase pôs a bola para dentro do próprio gol. Era um massacre. Acuado, o Palmeiras nem sequer conseguia colocar a bola no chão. Tentava atacar desordenadamente e oferecia espaços para os contragolpes são-paulinos, que, no entanto, não se converteram em gols por falta de objetividade. Ainda assim, o time do Morumbi assustou em chutes de fora da área de Fabão e Souza. Rogério Ceni, do outro lado, não precisou sujar o uniforme amarelo. Na etapa final, o São Paulo continuou com mais posse de bola, mas não conseguia mais chegar com perigo ao gol adversário. Já o Palmeiras, com mais raça do que técnica, começou a se soltar. E foi premiado com o empate aos 12 minutos, quando Correa levantou na área e Washington subiu livre para cabecear. Dez minutos depois, Edmundo arrancou sozinho rumo ao gol palmeirense e foi empurrado por Leandro na entrada da área. Avisado pelo auxiliar Altemir Hausmman, o árbitro Wilson de Souza Mendonça marcou falta e expulsou o atacante são-paulino, que era o último homem. Mesmo com um a menos, o São Paulo foi à frente e quase desempatou aos 29: Mineiro chutou cruzado, Sérgio espalmou e, no rebote, Danilo bateu em cima de Wendell. Aos 36, Júnior aproveitou uma bola batida no corpo do árbitro para escapar pela direita e ser derrubado por Cristian na área. Pênalti que Rogério Ceni precisou converter duas vezes - a primeira cobrança foi anulada por invasão - para fazer 2 a 1. No final do jogo, Paulo Baier envolveu-se numa confusão com Rogério Ceni e foi expulso. Era a senha para a festa tricolor no Morumbi. Depois do apito final, Wilson de Souza Mendonça também expulsou Marcinho Guerreiro.

Agencia Estado,

03 Maio 2006 | 23h50

Mais conteúdo sobre:
libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.