Seleção embarca à Suíça cheia de otimismo e precaução

O rótulo de virtual campeã da Copa do Mundo da Alemanha já não incomoda mais a seleção brasileira, que conciliou otimismo e precaução durante o embarque, neste domingo, no Rio rumo à Suíça, onde permanecerá por duas semanas se preparando para a disputa. E, a julgar pelas declarações, o técnico Carlos Alberto Parreira terá pouco trabalho com o lado psicológico dos jogadores, que demonstraram uma excessiva de humildade em contraste com o favoritismo em demasia atribuído ao Brasil. Parreira embarcou com duas preocupações e a principal delas foi com o lado mental dos atletas. Mas para evitar qualquer tipo de problema em relação a este assunto, o técnico, há muito, iniciou um trabalho com os atletas. Em todas as conversas com os jogadores, tem procurado mostrar que somente serão campeões se forem capazes de mostrar em campo o porquê de serem favoritos. ?Estamos indo para essa Copa com a obrigação de vencer. E se isso acontecer, não será nada demais para os outros times. Mas, precisamos saber lidar com isso?, destacou o técnico da seleção. ?Para nós, sermos hexacampeão mundial, escrever nosso nome na história do futebol é tudo de mais importante que pode acontecer?. Já na prática, o técnico do Brasil deseja recuperar fisicamente e deixar no mesmo nível todos os atletas que terminaram sua temporada por clubes europeus. Por isso, os dois dias de exames clínicos reservados neste início de preparação na cidade suíça de Weggis. Depois será a vez do entrosamento do time porque tecnicamente o treinador está confiante de que não existe nada a fazer, somente repassar o posicionamento de cada um dentro da formação tática 4-4-2. No embarque deste domingo, além da comissão técnica, 14 jogadores viajaram rumo à Suíça, com previsão de chegada para às 14h05 (9h05 - horário de Brasília). De São Paulo vieram Cicinho, Cris, Luisão, Roberto Carlos, Robinho e Rogério Ceni. Já no Rio, Ronaldinho Gaúcho, Adriano, Emerson, Gilberto, Juan Ricardinho e Júlio César. Exceção para Juninho Pernambucano, que saiu direto de Recife. Ronaldinho Gaúcho fez a alegria dos cerca de 200 torcedores que estavam no Galeão e não se furtou em admitir que quer ser o principal jogador da Copa e conquistar o hexa para o Brasil. ?O objetivo é este. Sabemos que será difícil, mas já estou procurando mentalizar coisas boas, procurando planejar um trabalho legal para chegar bem na Alemanha?, frisou. Sinônimo de conquistas, o coordenador-técnico Zagallo foi o exemplo do otimismo. Se os adversários tentam jogar em cima da seleção a responsabilidade pela conquista do mundial, o treinador recebe a missão com entusiasmo. ?Favorito ou não, estamos vamos lá para ganhar?, afirmou Zagallo. ?Vamos para o hexa e para o bi. Não entenderam? Vamos conquistar nosso segundo título na Europa. Lembra de 58??

Agencia Estado,

21 Maio 2006 | 20h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.