1. Usuário
Assine o Estadão
assine
Copa 2014

Seleção holandesa já começa a planejar futuro

Raphael Ramos - O Estado de S. Paulo

11 Julho 2014 | 05h 00

Os craques Van Persie, Sneidjer e Robben não devem disputar a próxima Copa e abrem espaço aos mais jovens

Com a disputa pelo terceiro lugar, amanhã, contra o Brasil, em Brasília, desvalorizada pelo próprio treinador, a Holanda já pensa no futuro. A Copa no Brasil pode ser a última de Van Persie, Sneijder e Robben, todos com 30 anos e considerados os pilares da equipe. O trio e o volante De Jong, que tem 29 anos, continuam na seleção até a Eurocopa de 2016, mas não devem disputar o Mundial de 2018, na Rússia.

O técnico Louis van Gaal trouxe para o Brasil um elenco bastante renovado. Dos 23 convocados, 16 disputam o Mundial pela primeira vez. Em relação aos 11 titulares que participaram da final de 2010 contra a Espanha, na África do Sul, por exemplo, restaram apenas cinco jogadores: Sneijder, Robben, Van Persie, De Jong e Kuyt.

Ficaram de fora Stekelenburg, Van de Wiel, Heitinga, Mathijsen, Van Brockhorst e Van Bommel. Esses jogadores veteranos foram substituídos por nomes até então desconhecidos pelo público em geral, como Cillessen, Daley Blind, Memphis Depay, De Vrij, Leroy Fer, Janmaat, Kongolo, Martins Indi e Wijnaldum.

O desafio dos holandeses agora é encontrar nessa geração promissora alguém que possa se transformar em referência da equipe, como foram Van Persie, Sneidjer e Robben nos últimos anos. A Holanda conta hoje com bons defensores, mas faltam novos talentos no ataque. Grande parte dos jogadores da nova safra atua em clubes do país, sem grande projeção internacional. É o caso do versátil Daley Blind, que mostrou, nesta Copa, ser capaz não apenas de atuar em alto nível tanto como lateral-esquerdo como volante, mas de ser brilhante ou decisivo.

José Patricio/Estadão
Robben é um dos cinco jogadores da Holanda que estiveram na do Mundial em 2010

Nesta Copa, dos 12 gols marcados pela equipe, sete foram feitos por Van Persie (3), Robben (3) e Sneijder (1). Nos últimos dois jogos, quando o trio acusou sinais de cansaço, não apareceu nenhum outro jogador para decidir. O time não apresentou variação de jogadas no ataque e ficou 240 minutos sem balançar as redes - 180 no tempo normal e mais 60 de duas prorrogações.

Novos tempos

A renovação na seleção holandesa também passa pela comissão técnica. Louis van Gaal, que já está de contrato assinado com o Manchester United, se despede da equipe amanhã e levará para a Inglaterra o preparador de goleiros Frans Hoek. Hoek teve papel decisivo nas quartas de final, contra a Costa Rica, quando foi o mentor da substituição de Krul no lugar de Cillessen no último minuto da prorrogação - o reserva defendeu dois pênaltis.

Van Gaal será substituído por Guus Hiddink. O novo treinador, porém, não ficará muito tempo. Depois da Eurocopa de 2016, quem assume a seleção é o ex-zagueiro Danny Blind, hoje assistente técnico de Van Gaal.

"O time que esta comissão técnica vai entregar depois da Copa é um presente. Os jogadores voltarão muito melhores, e isso irá me dar uma enorme vantagem quando eu assumir a seleção", disse Hiddink para o jornal holandês Algemeen Dagblad.

Copa 2014