Divulgação / Fifa
Divulgação / Fifa

Seleções negociam criação de "Liga Global" com sete divisões para 2020

Times nacionais de todo o mundo negociam criação de novo torneio internacional com intenção de substituir amistosos

Jamil Chade / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

03 Novembro 2017 | 14h54

Numa iniciativa inédita das confederações regionais, seleções de todo o mundo estão em fase final de uma negociação para criar um novo torneio internacional, colocando frente à frente os maiores times do mundo. Num formato de liga, a nova competição dividirá o mundo em sete diferentes divisões. 

+ Rússia admite atrasos, mas nega preocupação com a Copa

No último fim de semana, a reportagem do Estado revelou com exclusividade as negociações sobre o novo torneio. O processo foi encabeçado pela Uefa que, há anos, vem buscando um modelo para substituir os amistosos caça-níqueis por partidas que façam sentido nas datas-Fifa que não contenham jogos das Eliminatórias para a Copa do Mundo e das copas continentais. Nos últimos anos, polêmicas ainda foram criadas com a descoberta de que Argentina, Brasil ou Espanha teriam usado amistosos para lavagem de dinheiro.

Pelo novo formato, seleções em todo o mundo seriam repartidas em sete diferentes divisões, respeitando a posição delas no ranking. Em uma primeira fase, disputada em junho e setembro de 2020, o torneio ocorreria entre os times de um mesmo continente e em jogos de ida e volta. Os vencedores de cada divisão em seu continente, assim, se classificariam para uma fase final, marcada para ocorrer em meados de 2021 e disputada entre os melhores de cada região.

No caso da Conmebol, porém, não haveria sete divisões. As seleções entrariam apenas na primeira ou segunda divisão do futebol mundial. Uma situação bastante diferente viveria a Oceania, com times apenas na quarta, sexta e sétima divisão do futebol global.

Na fase final, em 2021, as oito melhores seleções de cada divisão se enfrentariam, no mesmo formato existente já com a Copa do Mundo. Os oito times se encontrariam em uma fase de quartas de final, semifinal e uma grande decisão.

Disputada a cada dois anos, a competição ainda traria a vantagem de permitir que seleções fossem rebaixadas ou promovidas entre as sete divisões.

O novo torneio - que se chamará Liga Global de Nações - também daria um poder limitado para a Fifa. Uma entidade separada é quem vai organizar a fase final da competição. Será essa nova organização que irá vender os direitos de televisão, escolher as sedes e ainda vender ingressos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.