Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Sem força de alçapão na Vila, Santos já supera números negativos dos últimos anos

Clube vem acumulando tropeços e públicos baixos em seu estádio

Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2017 | 16h38

A Vila Belmiro não é mais o caldeirão do Santos. Aos menos nesta temporada. Conhecido pela sua força como mandante no seu estádio, o clube vem acumulando tropeços e públicos baixos na sua casa, algo que vem afetando diretamente o rendimento nas competições. No domingo, o Santos sofreu a sua primeira derrota como mandante no Brasileirão ao cair diante do Cruzeiro por 1 a 0, em jogo que atraiu  7.025 pagantes – uma semana depois de o time só se livrar de um tropeço diante do Coritiba  graças à grande atuação do goleiro Vanderlei, que defendeu até pênalti.

O revés foi o quarto do Santos em 2017 dentro da Vila Belmiro. Antes, a equipe já havia caído nos dois clássicos realizados em seu estádio pelo Campeonato Paulista, diante de Palmeiras e São Paulo, competição na qual também foi superado em casa pela Ferroviária. 

O número de derrotas assusta, especialmente porque o Santos entrou em campo apenas 11 vezes no estádio neste ano – venceu os outros sete jogos, o que o deixa com um aproveitamento de 63,6% dos pontos.

Mais do que isso, as derrotas em apenas cinco meses de temporada superam os números registrados nos últimos dois anos. Em 2016, o Santos só perdeu duas vezes na Vila Belmiro, para Figueirense e Internacional – rebaixado à Série B. Já há dois anos, o desempenho foi ainda melhor, com o time só sendo derrotado pelo gaúcho Grêmio.

Coincidência ou não, essas temporadas foram de sucesso do Santos, com a conquista do bicampeonato estadual – este ano o clube deixou o Paulistão ainda nas quartas de final. Foi vice de duas competições nacionais: Copa do Brasil de 2015 e Brasileirão de 2016, nesta última atrás do Palmeiras.

O fim da aura de caldeirão da Vila também passa pelos baixos públicos registrados pelo clube no estádio em 2017, a ponto de jogos de apelo inegável, como o clássico com o Palmeiras e o último compromisso da equipe na Libertadores, contra o Sporting Cristal, não terem atraído sequer 10 mil torcedores.

A situação, claro, preocupa o presidente Modesto Roma Júnior. “Vou usar o slogan do nosso patrocinador: ‘Vem para a Vila você também’. Acho importante ter a Vila cheia’’, afirmou, preocupado com baixa presença do público no estádio.

Com a Vila vazia e perdendo o status de alçapão, o apelo para a realização de mais jogos do Santos no Pacaembu só aumenta. Será exatamente no estádio paulistano, onde o time tem incrível sequência de 19 vitórias seguidas, que o time mandará seu próximo jogo no Nacional, 7 de junho, contra o Botafogo.

O Santos também já tem outra partida no próximo mês agendada para o Pacaembu, dia 17, contra a Ponte. Entre eles, receberá o Palmeiras em clássico na Via Belmiro,  dia 14.

Mais conteúdo sobre:
Futebol Santos futebol Vila Belmiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.