Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Esportes

Esportes » Sem poder, presidente da CBF não pode nem se pronunciar em Zurique

Futebol

Esportes

Fifa

Sem poder, presidente da CBF não pode nem se pronunciar em Zurique

Entidade tenta evitar que o coronel Nunes fale com a imprensa

0

Jamil Chade,
O Estado de S.Paulo

25 Fevereiro 2016 | 23h07

Sem poder, o presidente interino da CBF, coronel Antônio Nunes, agora também não tem voz. A entidade passou a blindar o cartola e impedir que dê declarações à imprensa. Nunes chegou à cidade de Zurique na terça-feira, para sua primeira visita à Fifa e para a eleição que ocorre amanhã. 

Se no primeiro dia de seu trabalho ele deu declarações, insistiu que desconhecia a corrupção no futebol e até apontou para o melhor jogador do mundo, Nunes agora não se atreve nem mesmo a dizer em quem vai votar. "Eles já falaram", respondeu o coronel à reportagem do Estado, sem explicar quem teria sido. 

A diretoria de Comunicação da CBF impediu jornalistas de chegar perto do cartola, ele te evitado sair de seu quarto e aperta o passo ao ser questionado pela reportagem do Estado sobre o motivo do silêncio.

Outro membro da CBF admitiu, na condição de anonimato. "Coitado, precisamos protege-lo", disse.

Na terça-feira, ao sair para jantar pela cidade de Zurique, o coronel tentou deixar um restaurante de comida típica suíça sem falar com os jornalistas. "Onde é que fica a porta?", perguntou. 

Marco Polo Del Nero, apesar de estar licenciado, é quem toma as decisões. O dirigente foi indiciado nos EUA por corrupção e é investigado pela Fifa.  Por isso, não deixa o Brasil, sob o risco de ser preso. Para evitar perder o controle da CBF, manobrou para colocar Nunes como presidente. 

Se ele não pode falar, o coronel pelo menos sairá de Zurique com uma diária de R$ 4 mil, dado pela Fifa. Outros dois dirigentes também viajaram, bancados pela Fifa. Um deles é o presidente da Federação do Acre, Antonio Aquino, além do presidente da Federação Baiana, Ednaldo Gomes. A CBF, como um todo, tem direito a US$ 3 mil, R$ 12 mil. Apenas para gastos como restaurantes ou compras.

Mais conteúdo sobre:

Comentários