Daniel dal Zennaro/EFE
Daniel dal Zennaro/EFE

Sem vaga na Copa de 2018, atletas criticam federação italiana

Goleiro Buffon é um dos poucos que escapa das cobranças pela vexatória campanha dos tetracampeões

O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2017 | 10h54

Pela primeira vez em 60 anos e a terceira em sua história, a seleção italiana está fora da Copa do Mundo. O empate sem gols com a Suécia, no estádio Giuseppe Meazza, em Milão, além de ter tirado a Itália do mundial, rendeu muita repercussão nas redes sociais.

+ Buffon chora ausência da Itália de Copa e se despede da seleção

+ Quando outros campeões decepcionaram como a Itália

O técnico da Itália, Giampiero Ventura, e a Federação Italiana de Futebol (FIGC) foram os grandes alvos das críticas de ex-atletas e torcedores nas redes sociais. No entanto, apesar do vexame da Azzurra, muitos se solidarizaram com o goleiro Gianluigi Buffon, que deixou o campo em lágrimas.

Paolo Cannavaro, zagueiro e irmão de Fabio Cannavaro, criticou a gestão da FIGC. "Adeus para as múmias que controlam o futebol italiano. Dêem mais espaço para os jovens fora de campo também! Saiam fora do nosso maldito caminho, obrigado", escreveu.

O lendário ex-atacante Marco Tardelli, que conquistou a Copa do Mundo de 1982 com a Itália, criticou o presidente da FIGC, Carlo Tavecchio, afirmando que ele "não deveria entrar em nenhum estádio".

O ex-lateral italiano Massimo Oddo, que conquistou a Copa do Mundo de 2006, escreveu que a Itália "aprendeu pouco" com o título do último mundial. Já o goleiro espanhol Iker Casillas escreveu uma mensagem de apoio a Buffon. "Não gosto nada de ter ver assim! Quero te ver como vejo até agora, como o que continua a ser para muitos, uma lenda. Sou orgulhoso de te conhecer e orgulhoso de ter te enfrentado muitas vezes".

Outros diversos jogadores, como o também goleiro inglês Joe Hart e os ex-companheiros de equipe Mario Lemina e Arturo Vidal postaram homenagens a Buffon.

A eliminação da Itália também foi destaque nos jornais do mundo inteiro, como na Alemanha, França, Espanha e Inglaterra./ANSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.