Reuters/Alessandro Bianchi
Reuters/Alessandro Bianchi

Simeone vê avanço 'muito complicado' à final, mas diz crer em feito 'impossível'

Real Madrid carrega vantagem de 3 a 0 contra o Atlético

O Estado de S.Paulo

09 Maio 2017 | 15h38

O técnico Diego Simeone e o elenco do Atlético de Madrid procuraram mostrar confiança na virada sobre o Real Madrid na segunda partida da semifinal da Liga dos Campeões da Europa entre ambos, que será disputada nesta quarta-feira, às 15h45 (horário de Brasília), no estádio Vicente Calderón. No jogo de ida, o Real venceu por 3 a 0, placar considerado por muitos como praticamente definitivo para a classificação da equipe merengue.

No entanto, Simeone, em entrevista coletiva nesta terça, véspera do confronto de volta da semifinal, fez questão de ressaltar a força do seu grupo de jogadores e na capacidade do time para superar uma situação praticamente irreversível.

"É muito complicado, mas é futebol. O futebol tem coisas inesperadas. Até a última gota de possibilidade que tivermos, vamos jogar. Agora temos que tentar fazer algo impossível, mas, como nos chamamos Atlético de Madrid, possivelmente podemos ser capazes. Confio muitíssimo nos meus jogadores. Conheço a maioria deles há cinco anos e meio e não tenho dúvida de que amanhã vão fazer uma grande partida", garantiu Simeone.

O treinador do Atlético de Madrid entende que, para atingir o resultado, a equipe não pode se descuidar da defesa em nenhum momento do jogo, pois assim terá mais tempo para pressionar os adversários e buscar os gols necessários para a classificação.

"Penso que devemos defender bem para obviamente estarmos muito mais tempo dentro da partida. E estar dentro do jogo vai nos dar opções, minuto a minuto, segundo a segundo, em busca do que queremos: passar à final", completou Simeone.

O meio-campista Gabi confirmou a opinião do comandante da equipe ao afirmar nesta terça-feira que a equipe do Atlético não desiste dos seus objetivos. O atleta também destacou o papel da torcida, que apoiou o time mesmo após a derrota no Santiago Bernabéu, na semana passada.

"No outro dia, após a partida com o Eibar (pelo Campeonato Espanhol), as pessoas queriam mostrar o seu carinho e apoio. À noite, quando chegamos ao hotel, nos deram o último apoio (para o jogo contra o Real). São coisas com as quais me identifico e que só nos ajuda a querer retribuir em campo e alegria à nossa torcida", revelou Gabi.

O zagueiro Savic também citou a força dos torcedores no Vicente Calderón como um ingrediente para tentar a considerada missão quase impossível. "É muito difícil reverter este resultado, mas nós cremos até o final porque esta é a nossa mentalidade. E vamos jogar com a nossa torcida", acrescentou o defensor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.