Só vitória diminui crise da Ponte

A Ponte Preta quer iniciar nova fase neste sábado quando enfrenta o Flamengo, às 16h00, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. Há cinco jogos sem vencer no Torneio Rio-São Paulo, o time será colocado à prova sob a pressão da sua fanática torcida. Sem chances de ficar entre os semifinalistas, a diretoria decidiu iniciar um processo de renovação no elenco que culminou com a dispensa de três jogadores. Entre eles, dois titulares: o meia Marquinhos e o lateral direito Rodrigo Chagas. O outro é o atacante Paulo César, do Vasco da Gama, que não vinha sendo aproveitado. Mas a campanha do time é ruim, com apenas 14 pontos e na última posição entre os paulistas ao lado da Portuguesa de Desportos. Se o regulamento do Rio-SP realmente tiver validade, a Ponte agora estaria tentando escapar do rebaixamento na próxima temporada. Além do Flamengo, a Ponte terá pela frente Bangu, Guarani e Palmeiras. O técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, prefere ser mais otimista e sonha ainda ficar entre os seis primeiros colocados e garantir uma vaga na Copa dos Campeões. "Acho importante manter vivo um objetivo para o grupo", destacou Vadão. Ele tem sido muito criticado pela torcida, mas garante que está levando até o fim a sua missão de permitir o avanço de novos jogadores dentro do elenco. "Descobrimos o Jean, reanimamos o Humberto e agora estamos com outra boa promessa que é o Josimar. O trabalho da Ponte tem que ser esse, sempre visando a revelação de valores", esclareceu Vadão que, desta forma, conseguiu dar impulso à carreira de Kaká, o mais novo sucesso do futebol brasileiro. Com relação a torcida, Vadão também fala com humildade. "A torcida tem nos apoiado durante o jogo. No final, ela pode nos vaiar à vontade. Mas quero que ela continue jogando com a gente, porque será importante para deixarmos esta fase difícil", completou . Quem também está com vontade de "dar uma virada" é o centroavante Washington que, neste sábado, entra para a história do clube. Ele estará completando 100 jogos pela Ponte, onde já marcou 79 gols com uma média de 0,79 por jogo. Nesta semana, o artilheiro passou por duas situações difíceis. Na quarta-feira, na derrota de 3 a 2, para a Portuguesa de Desportos, ele perdeu um pênalti, embora tenha marcado um gol - o nono no Rio-SP. No dia seguinte ficou decepcionado por sua ausência na lista de convocados d e Luis Felipe Scolari para o amistoso da seleção brasileira contra a Iugoslávia. "Sei que preciso sempre marcar gols. E, agora, mais do que nunca vou buscar os gols para dar a volta por cima", espera o homem-gol da Ponte. O time vai bastante mudado para este jogo. O goleiro Ronaldo está vetado pelo departamento médico com um estiramento muscular na panturilha da perna esquerda. Em seu lugar entra Alexandre Negri. Na lateral direita, Carlos Alexandre recebe novo voto de confiança de Vadão entrando no lugar de Rodrigo Chagas. No ataque, Humberto continua sendo o companheiro de Washington, uma vez que o titular Jean está com o joelho machucado. O jovem Josimar, de apenas 17 anos, também pode aparecer no segundo tempo, o mesm o acontecendo com Orlando e Lucas. A equipe deve jogar com Alexandre Negri; Carlos Alexandre, Rodrigo, Alex Oliveira e Elivélton; Roberto, Mineiro, Caíco e Adrianinho; Humberto e Washington.

Agencia Estado,

22 Março 2002 | 15h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.