Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Sondado pelo Dortmund, Jô deixa futuro em aberto no Corinthians

Atacante é sondado por vários clubes da Europa e diz que prefere não cravar seu futuro para evitar cobranças

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2017 | 16h50

Os 14 gols marcados pelo Corinthians no Campeonato Brasileiro fazem com que Jô se torne uma referência da equipe alvinegra e volte a ser alvo de clubes da Europa. Em meio as especulações, o jogador garante que está focado apenas em ajudar a equipe na conquista do nacional, mas deixa o futuro em aberto.

+ Pablo treina normalmente e deve reforçar o Corinthians no domingo

No meio do ano, o Borussia Dortmund manifestou interesse no jogador, mas não chegou a formalizar uma proposta oficial. Clubes da Itália e da Inglaterra também manifestaram interesse, mas segundo o jogador, ainda não chegou nada de concreto.

"Eu tenho contrato. Sou muito grato ao Corinthians por ter confiado em mim. Existem sondagens e especulações, mas isso é uma coisa natural para o artilheiro do líder do campeonato. Vou ficar tranquilo, ir passo a passo e depois entrar de férias para lá. Não quero cravar nada, para depois não ser julgado se as coisas mudarem", disse o atacante.

Além da possibilidade de ser negociado, Jô ainda mantém viva a esperança de voltar a ser convocado pelo técnico Tite para a seleção brasileira e disputar a Copa de 2018. "Eu estou muito tranquilo. Seleção brasileira é consequência do bom trabalho. Ainda tem as convocações até a lista final e eu tenho trabalhado bastante. O Tite deixou em aberto e isso dá uma esperança maior. Deixo tudo nas mãos de Deus, pois existem pessoas competentes olhando e temos que aguardar", comentou.

+ Carille diz que Corinthians precisa de cinco vitórias para ser campeão

De bem com a vida, o atacante ainda mostrou bom humor ao comentar sobre seu corte de cabelo diferente. Ele contou que deve mudar o visual já para o jogo com o Bahia, domingo, às 19h, em Salvador. "Fiz uma coisa de criança, de gente nova. Fui cortar semana passada e o cabeleireiro deu essa ideia. Em casa repercutiu bem, a esposa falou que gostou, mas que já tinha gostado do cabelo cortado. Aqui no clube foi dividido. Uns gostaram e outros não. Eu curti, mas não vou continuar. Foi só para um jogo mesmo", assegurou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.