Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Sorteio de adversário na Libertadores preocupa Palmeiras por possível desgaste

Clube teme ter de enfrentar rival com logística complicada de viagem durante maratona de compromissos no Brasil

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

26 Maio 2017 | 11h00

O Palmeiras está ansioso pelo dia 14 de junho. Apesar de a data guardar na agenda o clássico com o Santos, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Brasileiro, a comissão técnica tem também a curiosidade para saber o que o sorteio da Copa Libertadores vai indicar como adversário nas oitavas de final da competição. O temor é ter de fazer o elenco suportar uma viagem longa no meio de uma maratona de jogos.

No mês que vem o Campeonato Brasileiro terá rodadas no meio e no fim de semana. Junto com isso, o Palmeiras poderá acumular compromissos pela Copa do Brasil caso confirme a classificação para as quartas de final. A equipe define essa situação na próxima quarta, ao enfrentar o Inter, no Beira-Rio, e defende a vantagem de 1 a 0 construída no jogo de ida, no Allianz Parque.

Se o time passar pelo adversário gaúcho, terá dois jogos das quartas de final para disputar entre o fim de junho e começo de julho. Com isso, chegará à marca de 27 partidas no intervalo de 91 dias. Seriam três meses com dois compromissos por semana na agenda. Em virtude desse acúmulo no calendário, o clube teme em ter nas oitavas de final da Copa Libertadores uma viagem de logística complicada.

"Com a sequência de jogos que a gente está tendo, ter uma viagem mais distante desgasta. Mas isso não pode ser desculpa, temos que ir preparados", disse o atacante Willian. Entre as possíveis viagens longas, os destinos mais distantes são o Equador e a Bolívia, onde, inclusive, há o temor da altitude de 3,6 mil metros acima do nível do mar de La Paz, cidade do The Strongest.

A diretoria tem fretado voos para a equipe se deslocar para a América do Sul, assim como fez para o jogo com o Atlético Tucumán, no norte da Argentina. Apesar disso, em termos de cansaço, os jogadores consideram benéfico um provável confronto contra times brasileiros. "Caso aconteça, vamos enfrentar de igual para igual. Não teremos viagem tão longa pelo menos", afirmou Willian.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.