Gustavo Granata/AGIP
Gustavo Granata/AGIP

STJD aguarda protesto do Palmeiras, mas vê chance de anulação do jogo pequena

Procurador Paulo Schmidt vai esperar por uma manifestação oficial dos dirigentes do clube paulista, mas não acredita em mudança de resultado

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

28 Outubro 2012 | 17h47

SÃO PAULO - A polêmica anulação do gol de Barcos na derrota do Palmeiras por 2 a 1 contra o Internacional, sábado, ainda cria manifestação no clube paulista. O procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Paulo Schmidt, afirmou neste domingo que espera pela reclamação oficial do Palmeiras, provavelmente nesta segunda-feira, mas não acredita que algo possa ser mudado.

"Temos de esperar uma atitude oficial do Palmeiras. É o clube que tem de provar que houve uma interferência externa na referida partida e depois mostrar a violação da regra que caracterizaria o erro de direito. Feito isso, podemos analisar a possibilidade de impugnar o resultado do jogo", explicou o procurador, em entrevista ao Estado.

Entretanto, Schmidt admite que as chances de o clube ter sucesso na tentativa de modificar a derrota em Porto Alegre são pequenas. "Estou no tribunal há oito ano e isso aconteceu duas vezes apenas", admitiu o procurador.

O Palmeiras tenta, mas também admite que dificilmente conseguirá reverter a situação. O time precisa dos três pontos para conseguir se avistar fora da zona de rebaixamento. "Não adianta dizer que é óbvio que houve uma interferência externa, de pessoas que não faziam parte do jogo. Ocorre que precisamos de provas e isso é algo muito difícil. O árbitro tem presunção legal, coisa que a repórter, que disse ter comunicado ao delegado da partida se foi ou não mao, não tem. É difícil mudar a situação, mas temos até terça para provar o que houve", explicou o diretor jurídico Piraci Oliveira.

O quarto árbitro daquele jogo, Jean Pierre Gonçalves de Lima, diz que ele viu que Barcos fez o gol com a mão e avisou imediatamente o árbitro Francisco Carlos Nascimento. Já o Palmeiras alega que o delegado da partida, Gerson Baluta, foi avisado por repórteres que estavam ao lado do banco de reservas do Internacional de que houve irregularidade no lance. Somente depois disso Baluta teria avisado o quarto árbitro, o que é proibido, já que nenhuma pessoa que não seja da arbitragem pode interferir no resultado da partida.

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras brasileirão STJD Inter futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.