Thiago Toledo / Ponte Press
Thiago Toledo / Ponte Press

Técnico da Ponte Preta vê necessidade de superação para evitar queda

Eduardo Baptista diz que está 'se doando 24 horas por dia' para tirar o time desta situação difícil

Estadão Conteúdo

16 Outubro 2017 | 19h50

A Ponte Preta iniciou a semana num clima de preocupação, afinal o time voltou, pela segunda vez em 28 rodadas, a figurar dentro da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Mas o técnico Eduardo Baptista manteve o ritmo forte de treinamento, por acreditar ser possível sair desta delicada situação com muito trabalho.

+ Chapecoense contrata Gilson Kleina para tentar fugir do rebaixamento

Sempre otimista, Baptista procurou transmitir confiança após os trabalhos desta manhã, realizados no centro de treinamento do Jardim Eulina. "Este desafio que assumi é o maior de minha carreira, porque vim para livrar o time da queda. Por isso mesmo, estou me doando 24 horas por dia e passando aos jogadores a necessidade de superação a cada jogo" comentou.

O próximo compromisso será diante do Palmeiras, quinta-feira à noite, no Pacaembu, pela 29ª rodada. Após os resultados do fim de semana, a Ponte Preta caiu para a 17ª posição, com 32 pontos, perdendo a 16ª posição para a Chapecoense pelo número de vitórias: 9 a 8.

Dois jogadores estiveram ausentes de manhã: o atacante Emerson Sheik, poupado do campo para se exercitar na academia, e o lateral-direito Nino Paraíba, liberado por questões particulares. Ambos, porém, não representam problemas para o técnico. O grupo ainda vai treinar terça e quarta-feira pela manhã.

Em campo, Baptista já começou a testar os possíveis substitutos para duas baixas. Na defesa, Luan Peres está suspenso com três cartões amarelos, e pode ser substituído pelo experiente Rodrigo. A outra alternativa é Yago. No meio-campo, o volante Elton treinou na vaga de Fernando Bob, que cumpre suspensão por expulsão diante do Santos. Jadson também é opção.

A melhor notícia é que o meia Renato Cajá treinou normalmente, como já fez na semana passada, e deve ser relacionado para o banco de reservas. O volante Wendel, recuperado de lesão, também deve ser voltar ao banco. Ele é importante por ter 36 anos e ser homem de confiança de Eduardo Baptista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.