Técnico do Ajax diz que nada está definido e Lyon aposta em virada na Liga Europa

Equipe holandesa fez 4 a 1 no Lyon em jogo de ida pela semifinal

Estadão Conteúdo

10 Maio 2017 | 17h26

A excelente vantagem obtida no primeiro jogo da semifinal da Liga Europa, após sua equipe golear o Lyon por 4 a 1, não tranquilizou o técnico do Ajax, Peter Bosz. Em entrevista concedida nesta quarta-feira, ele enalteceu o adversário e garantiu que o time francês tem plenas condições de reverter o resultado no duelo da volta, nesta quinta, na França.

"O Lyon é um excelente time, como eles demonstraram nos primeiros 20 minutos da semana passada. Eles controlaram o jogo e não deixaram o nosso time jogar. Eles realmente mostraram que são um grande time", avaliou o técnico do time holandês. "A disputa certamente ainda não terminou".

Na avaliação de Peter Bosz, para não correrem o risco de serem surpreendidos seus jogadores precisam estar totalmente focados nesta quinta-feira. "Depois de ganharmos o primeiro jogo por 4 a 1, da maneira que jogamos, eu até consigo entender a euforia de alguns torcedores. É ótimo, é legal. Mas para o dia (do jogo). Agora precisamos estar totalmente focados nesta partida", cobrou o técnico do Ajax.

Peter Bosz destacou, ainda, que o mando de campo pode tornar o time francês ainda mais perigoso. "Eu sei o que pode acontecer e um jogo não acaba até o apito final. Há uma grande diferença na Europa entre jogar em casa ou fora. Isto vale para o Ajax e para muitos outros times. Então, para conseguir um bom resultado, precisamos estar totalmente concentrados".

Análise similar foi feita por Bruno Génésio, técnico do Lyon. Para ele, a torcida pode ser um fator determinante para a virada. "Minha prioridade é o equilíbrio da equipe. Espero que eles possam ter um grande desempenho. Os torcedores também terão uma importância fundamental", comentou.

O treinador do time francês, contudo, fez um alerta: seus jogadores precisam provar que são capazes de transformar o discurso em realidade. "Após o final do primeiro jogo, eu estabeleci o discurso no vestiário de que eles não deveriam se abater. Eu procurei enfatizar isso, de que estávamos apenas na primeira metade e a façanha era possível. Muito disso tem sido repetido, mas agora temos de provar isso em campo, que é o mais importante".

Mais conteúdo sobre:
Futebol Internacional futebol Liga Europa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.