Lionel Bonaventura/AFP
Lionel Bonaventura/AFP

Thiago Motta diz que PSG 'não pensa no jogo de volta' e será ofensivo em Madri

"Na nossa cabeça o mais importante é o jogo de ida", disse o brasileiro naturalizado italiano

Estadão Conteúdo

13 Fevereiro 2018 | 12h58

O brasileiro naturalizado italiano Thiago Motta garantiu que o Paris Saint-Germain não adotará uma postura defensiva contra o Real Madrid no jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões, nesta quarta-feira, às 17h45 (de Brasília), no estádio Santiago Bernabéu. O volante destacou que o time francês buscará a vitória fora de casa e ainda não está preocupado com a teórica vantagem de poder definir a sua classificação em casa no confronto de volta, marcado para o dia 6 de março.

+ Confira a tabela do Campeonato Francês

"Na nossa cabeça o mais importante é o jogo de ida. Temos de jogar sem pensar na partida de volta", afirmou o jogador, em entrevista publicada nesta terça-feira pela revista France Football, importante publicação para a qual o atleta também ponderou que possíveis cálculos de placares visando o duelo que ocorrerá em Paris "não servem para nada".

"Não temos que ir ali (no Santiago Bernabéu) para defender porque é impossível diante de um time como o Real Madrid", alertou Thiago Motta, de 35 anos de idade, com a experiência de que já conquistou o título da Liga dos Campeões pelo Barcelona em 2006 e pela Inter de Milão em 2010.

"Quando estivermos com a bola, teremos de atacar. Se é para buscar o 0 a 0, é melhor não ir para o jogo", disse o atleta, que deverá figurar como opção de banco do PSG nesta partida de quarta-feira por ainda lutar para se recuperar plenamente de uma lesão de longo prazo.

Thiago Motta também disse não se iludir com o momento instável vivido pelo Real, que ocupa apenas a quarta posição no Campeonato Espanhol e não conseguiu se classificar às oitavas de final da Liga dos Campeões como líder do seu grupo. Por isso, o time fará o duelo de volta das oitavas de final como visitante. "Em um jogo como esse o passado não conta", opinou o jogador, que ao mesmo tempo reconheceu que a "história do Real Madrid na Liga dos Campeões tem um grande peso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.