Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Tite exalta futebol da seleção: 'Dá para jogar bonito e ganhar'

Técnico afirma se sentir realizado ao ver atuação da equipe na vitória por 3 a 0 sobre o Chile, pelas Eliminatórias

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

11 Outubro 2017 | 00h18

O técnico Tite, da seleção brasileira, avaliou com bastante elogios o encerramento da campanha da equipe nestas Eliminatórias para a Copa do Mundo, campanha encerrada com a vitória por 3 a 0 sobre o Chile, nesta terça-feira, no Allianz Parque. Na opinião do treinador, o resultado e a atuação mostraram a capacidade da equipe mesclar efetividade com futebol vistoso.

+ Gabriel Jesus vibra com noite inesquecível em casa

+ Em Buenos Aires, argentino vibram com vaga na Copa

Sob o comando de Tite, a seleção ganhou dez partidas e empatou duas na competição. "A forma como a equipe está se apresentando me deixa feliz. A equipe resgata o que eu sei de futebol, porque mistura a efetividade em ganhar jogos com a beleza. Dá para jogar bonito e ganhar. Tenho que reconehcer que o grupo de atletas está apresentando esse bom futebol", disse em entrevista coletiva.

O Brasil fechou as Eliminatórias com a sua melhor campanha na história e venceu todos os adversários ao menos uma vez, feito inedito. "Tenho legado do Dunga e do Luiz Felipe (Scolari). Alguns jogadores são da geração da Copa de 2014, como o Fernandinho e o Daniel Alves. Quando não se tem muito tempo como técnico, você se serve desse legado", afirmou o treinador, ao dividir os méritos com os antecessores.

O treinador fez questão de elogiar o trabalho da comissão técnica e contou que o bom ambiente vivido entre os jogadores da seleção também ajudam os resultados a chegaram. "Os jogadores gostam do convívio, tem amizade. É legal quando isso acontece, porque aí a vaidade fica de lado. Acabamos por cooperar um com o outro. Todos esses recordes são de uma equipe, não sou só eu quem estou atingido", comentou.

Tite revelou ter ficado irritado com o zagueiro chileno Gary Medel durante a partida. Segundo o brasileiro, o adversário lhe xingou no primeiro tempo e ele acabou por perder o controle. Para acalmar os ânimos, o técnico falou com o defensor no começo da segunda etapa e avisou que o mal estar havia acabado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.