Torcedoras do Atlético-MG são ameaçadas após cobrarem posicionamento contra Robinho

Grupo de atleticanas é atacado após questionar postura do clube em relação à polêmica envolvendo o atacante

Leonardo Augusto, especial para O Estado de S. Paulo

07 Dezembro 2017 | 07h00

Torcedoras do Atlético-MG que colocaram faixas em frente à sede social do clube, cobrando um posicionamento oficial da diretoria sobre a condenação do atacante Robinho (punido na Itália por violência sexual), afirmam terem sido ameaçadas.

+ Leia mais sobre o Atlético-MG

A torcida responsável pelas faixas, a Feministas do Galo, em meio à polêmica, recebeu o apoio de outra torcida organizada do time, a Grupa, também formada por mulheres.

A decisão da justiça italiana, que condenou o atacante em nove anos de prisão em primeira instância, é de novembro. Segundo uma torcedora, que preferiu não se identificar, “não houve ameaça direta às pessoas envolvidas, já que não nos identificamos justamente para evitar essas situações. Grupos que nos apoiaram sofreram ameaças de violência física e de processos, o que não tem fundamento, já que existe uma condenação judicial. Estamos lutando para que o clube tenha uma postura responsável”, diz a atleticana.

As faixas foram colocadas na noite de segunda-feira em frente à sede social do Atlético no bairro de Lourdes. Uma dizia “Galo, seu silêncio é violento! Não aceitaremos estupradores”. A outra afirmava: “Um condenado por estupro jogando no Galo é uma violência contra todas as mulheres”. A assessoria do Atlético afirmou que o clube não vai se posicionar por se tratar de assunto de ordem pessoal do jogador.

A integrante da Feministas do Galo afirmou que o grupo é contra o posicionamento do clube no episódio, que considera “esta uma questão de cunho pessoal”. “Considerando que, em quase todas as reportagens sobre o caso, o nome do time, seu escudo e suas cores são apresentados, não se trata de uma questão meramente pessoal do atleta”, disse.

A reportagem entrou em contato com a advogada de Robinho, Marisa Alija, mas ela não retornou o contato.

Mais conteúdo sobre:
Atlético Mineiro Robinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.