Torcida santista protesta na Vila

O Santos tem uma partida decisiva quarta-feira contra o Internacional, em Porto Alegre. Precisa vencer ou conseguir um empate por quatro gols para continuar na disputa da Copa do Brasil e vai ser uma tarefa um pouco mais complicada, depois de permitir, sábado passado, a reabilitação do Americano, possibilitando que o adversário vencesse a primeira partida no Rio-São Paulo. Por conta disso, o ambiente que os jogadores encontrarão nesta segunda no Centro de Treinamento Rei Pelé deve ser dos mais tensos e as manifestações de protesto começaram logo após o término da partida em Campos. A torcida manifestou o descontentamento pichando não só os muros da Vila Belmiro, como também o portão de acesso ao estádio, deixando escrito um claro recado para os jogadores que se apresentam nesta segunda-feira, às 9 horas. "Se não se classificar o bicho vai pegar". Outras frases podiam ser lidas por quem passasse pela Vila. Os muros foram rapidamente pintados e no domingo à tarde faltava apenas limpar o portão. Os protestos envolviam até o presidente do clube, Marcelo Teixeira, chamado de "mentiroso", pelos pichadores, que pediam inclusive a saída de alguns jogadores e chamaram a equipe de "Timinho". Depois da derrota por 3 a 2, o técnico Celso Roth começa a treinar a equipe em dois turnos, às 9 e às 16 horas, para o próximo compromisso, da Copa do Brasil, marcado para quarta-feira, em Porto Alegre, quando o Santos vai enfrentar o Internacional, às 21h45, no Beira Rio. Para essa partida, ele tentará acertar a marcação, que tem apresentado falhas nas últimas partidas. Era o setor que apresentava maior regularidade no time, mas nas duas últimas partidas a equipe sofreu seis gols. Agora o time precisa vencer para continuar na Copa do Brasil ou conseguir um improvável empate por quatro gols. O jogo contra o Internacional não vale apenas a classificação para a próxima fase da Copa do Brasil, mas uma vitória garante também um pouco de tranqüilidade para o jogo de domingo, contra o Botafogo, na Vila Belmiro. Se houver a desclassificação em Porto Alegre, o time terá uma partida de risco, já que as últimas manifestações dos torcedores - que tentaram agredir Preto, na quarta-feira passada, e picharam os muros do estádio no último sábado - demonstram que a paciência com a equipe acabou.

Agencia Estado,

03 Março 2002 | 18h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.