União é arma de Parreira no clássico

O duelo do melhor ataque (São Paulo) contra a defesa mais eficiente (Corinthians). Esse deverá ser o enredo no clássico entre as equipes, domingo, às 16 horas, em Presidente Prudente, pelo Torneio Rio-São Paulo. Com 39 gols marcados na competição, o time do Morumbi já começou a dar trabalho para o adversário. Desde terça-feira o técnico Carlos Alberto Parreira estuda a melhor fórmula para anular o poder ofensivo da equipe de Nelsinho Baptista, principalmente a dupla de atacantes, França e Kaká. Parreira disse que conta com a união do grupo e o espírito de solidariedade entre os jogadores para tentar a vitória e garantir a classificação para as semifinais. O treinador explicou que mesmo atuando com três atacantes, o Corinthians não deixa de ser uma equipe que sabe se defender. Por isso, destaca que o time conta com a defesa menos vazada: 13 gols. "Todo mundo está ajudando na marcação. O Deivid, por exemplo, vem roubar bola no ataque adversário. É essa solidariedade que está caracterizando nossa equipe", disse Parreira. O zagueiro Scheidt ressaltou que os dois times têm praticamente as mesmas virtudes tanto para atacar como para se defender. Ele disse ainda que a atenção sobre França tem de ser redobrada. "É um artilheiro que sai muito da área. Portanto, não se pode ir atrás dele para fazer a marcação. Há o risco de abrir buraco na defesa. O ideal é marcar o atacante por setor", analisou Scheidt. A chuva que caiu hoje à tarde na cidade, atrapalhou um poucos os planos de Parreira, que não pôde comandar o treino no campo do Parque São Jorge. Para evitar contusões, o treinador teve de levar os jogadores para um trabalho tático em um dos ginásios do clube. Corinthians e São Paulo vão viajar no mesmo vôo para Presidente Prudente, sábado, às 16 horas. O empresário Dick Law, que se desligou da Hicks Muse, parceira do Corinthians, foi hoje ao Parque São Jorge se despedir dos jogadores, da comissão técnica, e dos repórteres que fazem a cobertura diária do clube.

Agencia Estado,

27 Março 2002 | 18h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.