Fernando Bizerra Jr./EFE
Fernando Bizerra Jr./EFE

Valdivia reencontra a torcida e o técnico que o recebeu no Palmeiras

Meia chileno retorna ao estádio do antigo clube e enfrenta Tite, primeiro treinador com quem trabalhou no futebol brasileiro

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

10 Outubro 2017 | 07h00

Na hora em que a escalação do Chile for anunciada nesta terça-feira, antes do jogo no Allianz Parque, contra a seleção brasileira, um jogador adversário certamente será festejado por parte da torcida. Dos 22 atletas em campo jogo válido pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, nenhum tem mais identificação com o clube dono do estádio do que o meia chileno Jorge Valdivia.

+ Tite diz que Brasil e Chile são as duas melhores equipes do continente

+ Seleção brasileira deve testar formação com Fernandinho e Casemiro juntos

O jogador de 33 anos teve duas passagens pelo Palmeiras, a última encerrada em agosto de 2015. Nesse período, Valdivia comprou um apartamento próximo à arena, de onde tinha vista privilegiada do estádio. Além disso, o chileno ainda adquiriu um camarote no local em 2014 para receber amigos e convidados.

Foram mais de 300 partidas pelo Palmeiras, com títulos marcantes como a Copa do Brasil, de 2012, e o Campeonato Paulista, de 2008, além de algumas polêmicas no clube. Apesar desses problemas, a identificação persiste com a torcida e com o clube pelo qual mais atuou na carreira. Valdivia é um dos dois únicos jogadores da história do Palmeiras a terem atuado pelo time tanto no antigo Palestra Itália como na nova arena - o outro é Rafael Marques, que disputou 13 partidas pela equipe em 2004 e depois jogou no Alviverde entre 2015 e 2017.

O chileno retorna ao estádio em uma ocasião muito importante para a seleção e para ele. Valdivia havia perdido espaço nas convocações no começo do ano. Na quinta-feira, na vitória sobre o Equador, em Santiago, voltou a ser titular depois de dois anos.

A atuação foi elogiada pelo treinador da seleção, Juan Antonio Pizzi, que contou ter notado o jogador bastante motivado para enfrentar o Brasil. "Ele está muito bem preparado e concentrado para render ao máximo e conseguir o objetivo. Valdivia fez um jogo muito bom na quinta-feira e esperamos que esse rendimento seja igual ou até melhor", disse. 

Curiosamente, o técnico do Palmeiras na época da chegada de Valdivia à equipe, em 2006, era Tite. O atual treinador da seleção brasileira elogiou nesta segunda-feira o meia, ao destacar a visão de jogo e a qualidade nas assistências.

*Atualizada às 15h40 do dia 10/10/17 para correção de informação.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.