Valdo fratura o braço e desfalca Botafogo

Na véspera do clássico com o Palmeiras, o Botafogo perdeu um dos seus principais jogadores: o meia Valdo fraturou o braço esquerdo e vai desfalcar o time no jogo deste sábado, às 21h40, em Caio Martins, pelo quadrangular final da Série B do Campeonato Brasileiro. A tendência é a de que Almir seja recuado para o meio e Dill forme a dupla de ataque ao lado de Leandrão. A contusão de Valdo ocorreu no treino desta sexta-feira à tarde, após um choque com Márcio Gomes. O pensamento do técnico Levir Culpi era escalar Almir no ataque, deixando Dill no banco de reservas. Nos treinos realizados em Angra dos Reis, no litoral do Rio, ele tinha desfeito a dúvida. Com a contusão de Valdo, o treinador pode ser obrigado a mudar todo o esquema montado nos últimos dias. Ao longo da última semana, uma enorme discussão em torno do clássico mais esperado da Segunda Divisão agitou ambos clubes: os palmeirenses queriam jogar no Maracanã, por considerá-lo mais seguro e pela capacidade de público ser bem maior que a do Caio Martins. Mas, no íntimo dos jogadores do Palmeiras, estava o desejo de fugir da pressão da torcida do Botafogo, em Caio Martins. O presidente do Botafogo, Bebeto de Freitas, alegou que, se o Palmeiras poderia jogar no seu estádio (o Parque Antártica), o clube carioca também tinha esse direito. O dirigente garantiu que haverá total segurança para os torcedores paulistas, revelando, inclusive, a criação de ingressos verdes e locais destinados à entrada e saída da torcida palmeirense. Tudo para evitar eventuais confrontos. Além disso, a diretoria do Botafogo colocou à venda 10 mil ingressos, dois mil a menos que a capacidade total do estádio. E cedeu mil ao Palmeiras. Mesmo assim existe o temor de que este número seja insuficiente e que uma confusão ocorra na porta do Caio Martins. Os jogadores do Botafogo esperam a presença maciça da torcida. ?Chegou a hora de contarmos com o apoio total dos torcedores. Precisamos deste incentivo neste momento tão importante", disse o zagueiro Gilmar, destacando a expectativa pelo confronto entre cariocas e paulistas na Série B. Levir elogiou por diversas vezes o time do Palmeiras e chegou a dizer que os paulistas subiriam para a Primeira Divisão ao lado do Alvinegro carioca. Um discurso característico dos treinadores de futebol quando vão enfrentar um outro time grande. Na única partida em que se enfrentaram na competição, as equipes empataram por 0 a 0, ainda na primeira fase, no Palestra Itália.

Agencia Estado,

31 Outubro 2003 | 19h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.