Vasco e Fla jogam para 350 fiéis

Vasco e Flamengo se enfrentaram hoje - com uniformes oficiais, com juiz, bandeirinhas, placar e até torcida. Não se trata de engano ou notícia velha. Os grandes rivais do futebol carioca, com nove títulos nacionais e dezenas de regionais, entraram em campo, à tarde, no estádio do Olaria, na Rua Bariri, a 30 km do Rio. O duelo, acompanhado por 350 torcedores de duas das maiores torcidas do País, era oficial e válido pelo Campeonato Estadual, conhecido como "Caixão", em irônica referência ao apelido de Eduardo Vianna, o presidente da federação de futebol local. Por 90 e poucos minutos, o "clássico dos milhões e das multidões" virou confronto "de R$ 1.350 mil", que não pagam despesas com lanches dos elencos. "Vim saber desse jogo por acaso, pois havia uma notinha no jornal", comentou o rubro-negro aposentado Luiz Carlos Ponte, de 53 anos. Já o vascaíno Jorge Duane, de 68 anos, também aposentado, foi conferir ao vivo, mas não acreditava que estivesse assistindo a um dos jogos de maior tradição no futebol nacional. Duane não se enganou nem teve o raciocínio afetado pelo calor. De um lado, o líder Vasco; de outro, o lanterna Flamengo prontos para mais um capítulo da decadência do futebol do Rio. Os jogadores bem que tentaram fazer sua parte com dignidade: empenharam-se, dividiram com vontade, suaram a camisa e foram devidamente registrados por fotógrafos e câmeras de televisão. Como se fosse um clássico de verdade, houve até um herói, desta vez o meia Léo Macaé, autor do gol decisivo, que deu a vitória por 1 a 0 ao Vasco. "Foi o meu primeiro gol como profissional", festejou o atleta, que marcou aos 7 minutos do primeiro tempo, em um chute cruzado pela direita. "Dedico esse gols aos meus pais e a minha noiva." Já o técnico do Flamengo, João Carlos, só pôde lamentar o péssimo retrospecto, de 7 pontos em 11 jogos. Não adiantou nem reforçar o time com alguns atletas que disputam o Rio-São Paulo, como Rocha, Felipe Mello, Roma e Andrezinho. Em 1º de abril, Vasco e Americano decidem o primeiro turno do Estadual. Data mais do adequada: afinal, é o Dia da Mentira. Como este campeonato.

Agencia Estado,

25 Março 2002 | 19h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.