Ivan Storti / Santos FC
Ivan Storti / Santos FC

Zeca diz temer por integridade física e vê 'situação insustentável' no Santos

Lateral se diz ainda tranquilo por ter cumprido suas obrigações com o clube

Estadão Conteúdo

27 Outubro 2017 | 10h46

Após entrar na Justiça contra o Santos solicitando a rescisão do seu contrato com o clube, o lateral Zeca divulgou um comunicado através da sua assessoria de imprensa para justificar a sua ação. Além de apontar que não recebeu o que foi acertado em seu vínculo com o clube, aponta temor pela sua integridade física e declara que a sua situação é "insustentável".

+ Santos procura explicações para ausência de Zeca em dois treinos

+ Fifa reconhece títulos mundiais de clubes a partir de 1960

"O jogador teme por sua integridade física, não está com cabeça para treinar e, por isso, viajou ao interior para amparar sua mãe e familiares, que se encontram extremamente abalados com a situação", afirma um dos trechos do comunicado oficial divulgado pela assessoria de Zeca.

De acordo com o texto, Zeca foi agredido por torcedores do Santos na semana passada, no retorno da equipe do Recife após o empate por 1 a 1 com o Sport, pelo Campeonato Brasileiro. O elenco foi alvo de protestos no desembarque em São Paulo e o lateral também foi duramente criticado por torcedores em pichações na Vila Belmiro e no compromisso seguinte do time, no duelo com o Atlético Goianiense, vencido por 1 a 0.

"A situação se tornou insustentável. Até o presente momento, Zeca vinha aguentando xingamentos e pressões externas, fatos que, infelizmente, acontecem com muitos jogadores de futebol. Nos últimos dias, entretanto, a situação se agravou e ele passou a ser constantemente ameaçado em suas redes sociais, chegando ao cúmulo de ter sido, covardemente, agredido fisicamente no retorno da delegação de Recife a São Paulo, após ao jogo contra o Sport. As imagens e os relatos falam por si só e estão disponíveis para quem quiser ver", acrescenta o comunicado.

No texto, Zeca alega que a situação lhe traz insegurança para trabalhar e deixou a sua família extremamente abalada. "Zeca sabe que escolheu uma profissão sujeita à pressão, contudo, tudo tem limite e o dele foi atingido. Para se ter ideia, ao ver as imagens da agressão pela televisão, sua mãe ligou chorando, temendo pela saúde do filho. Antes de analisar o jogador de futebol, é preciso enxergar o lado do ser humano. E ninguém tem tranquilidade para trabalhar com as ameaças que o atleta vem sofrendo diariamente", afirma.

Zeca se declara "seguro" com a decisão de buscar a saída do Santos através da Justiça e garante que sempre cumpriu os seus compromissos com o clube. "Não é de hoje que Zeca vem atuando pelo Santos sem que o clube cumpra com o que lhe foi prometido. Pela lei, há um mês o jogador já poderia ter deixado de participar das partidas, mas isso jamais passou pela sua cabeça, mesmo quando se iniciou a perseguição por parte da torcida contra ele", afirma.

Após o triunfo sobre o Atlético Goianiense, o elenco do Santos teve dois dias de folga e se reapresentou na quarta-feira. Zeca, porém, não compareceu ao CT Rei Pelé, assim como para o treino de quinta, quando se confirmou a ação do jogador na Justiça contra a equipe.

Formado nas divisões de base do Santos, Zeca disputou 141 partidas pelo clube. O lateral tem contrato com a equipe até 2020, mas agora o seu futuro deverá ser definido judicialmente.

Mais conteúdo sobre:
futebol Santos Futebol Clube Zeca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.