Philippe Marcou / AFP
Philippe Marcou / AFP

Zidane nega favoritismo em final e vê Real e Juventus 'como 2 melhores da Europa'

Equipe espanhola busca a seu 12º troféu da maior competição de clubes do continente

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2017 | 12h00

Atual vencedor da Liga dos Campeões e recordista de títulos da competição, com 11 ao total, o Real Madrid enfrenta a Juventus neste sábado, às 15h45 (de Brasília), em Cardiff, no País de Gales, com a chance de conquistar o seu 12º troféu da maior competição de clubes da Europa. E isso na mesma temporada em que faturou o Mundial de Clubes da Fifa, a Supercopa da Europa e o Campeonato Espanhol.

Apesar de tudo isso, o técnico Zinedine Zidane rejeitou nesta terça-feira, em entrevista coletiva, o favoritismo que é creditado ao time espanhol nesta decisão. Para completar, o treinador colocou o rival praticamente no mesmo do Real ao dizer que hoje a sua equipe e a italiana são as duas melhores do Velho Continente na atualidade.

"O mais difícil é chegar à final como nós chegamos, logo na final não há favoritos, está 50% para cada lado. A Juve é um grande time e tem feito uma temporada incrível. Queremos fazer um grande jogo", ressaltou o treinador francês, que no ano passado levou o Real ao título ao bater o Atlético de Madrid na decisão, nos pênaltis, em Milão.

E Zidane fala sobre a Juventus com a propriedade de quem foi jogador da Juventus entre 1996 e 2001, ano em que se transferiu justamente para o Real, na qual conquistou o título da Liga dos Campeões na temporada 2001/2002, quando fez até o gol do título na decisão contra o Bayer Leverkusen.

"Joguei cinco anos na Juventus e tenho boas recordações desta época. É uma final especial. Cada um jogará sua final e o importante é ver um jogo bonito. Não creio que sejam duas propostas distintas. Na final é preciso jogar e não creio que haja diferenças entre os times. Por isso estamos os dois na final", destacou o comandante, se referindo ao fato de que não vê uma grande superioridade técnica do time madrilenho e também ao de que aposta que a equipe de Turim não ficará apenas na retranca, esperando a chance de matar o confronto no contra-ataque.

Nem mesmo uma possível mudança na escalação da Juventus para reforçar o sistema de marcação faz Zidane acreditar que o time italiano poderá ser menos letal no ataque. "A Juve não vai mudar muito jogue quem jogue, porque é um time sólido, que joga com três centrais (na zaga) em algumas ocasiões e sabe perfeitamente jogar de outra maneira", analisou, elogiando também alguns nomes que considera decisivos com a camisa da equipe italiana, entre eles o brasileiro Daniel Alves.

"Há muitos jogadores bons na Juventus, mas em termos ofensivos Dybala é um dos melhores. Higuaín e Alves também são bons. O mesmo acontece com o Real Madrid. São todos bons", enfatizou Zidane.

Apesar do discurso humilde, o astro francês não escondeu nesta terça-feira que também está confiante na conquista de mais um título europeu sob o comando do Real. "Estamos muito felizes por estarmos na final. Sabemos a dificuldade que foi para chegar e trabalhamos muito bem durante o ano. É uma final merecida e o time chega muito bem fisicamente e com confiança. Faltam quatro dias e estamos concentrados no que devemos fazer", assegurou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.