Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Adiado por terremoto, Mundial Paralímpico de Natação é remarcado e será no México

Evento vai acontecer entre os dias 27 de novembro e 7 de dezembro deste ano

Rafael Franco, Estadão Conteúdo

03 Outubro 2017 | 13h40

O Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês) anunciou oficialmente nesta terça-feira que a próxima edição do Mundial Paralímpico de Natação, que havia tido a sua realização adiada por causa do forte terremoto que atingiu o México no mês passado, foi remarcado para ocorrer entre os dias 27 de novembro e 7 de dezembro deste ano.

+ Terremoto no México adia ida do Brasil para Mundial paralímpico de natação

A entidade também confirmou que o evento, assim como o Mundial de Halterofilismo (agendado para acontecer no mesmo período e local), teve a Cidade do México mantida como sede das duas grandes competições.

No último dia 20 de setembro - um dia após o forte terremoto de magnitude 7,1 graus na escala Richter que causou centenas de mortes e provocou grandes danos em edifícios e na infraestrutura da Cidade do México -, o IPC havia anunciado o adiamento destes dois Mundiais, que estavam inicialmente agendados para ocorrer entre 30 de setembro e 6 de outubro.

Quase duas semanas depois deste adiamento, o IPC informou que optou por manter o Mundial na capital mexicana depois de "extensos diálogos e garantias vindas do Comitê Organizador Local e da Cidade do México", assim como após consultas com as associações filiadas à entidade olímpica, que também aprovaram esta decisão.

Cerca de 1.400 pessoas, entre atletas, dirigentes e membros das delegações dos países que disputarão estes Mundiais, estavam preparadas inicialmente para participar das competições agendadas para ocorrer entre 30 de setembro e 6 de outubro. E agora, com a remarcação das competições, o IPC informou que as nações terão até o próximo domingo para confirmar suas inscrições para os Mundiais dentro das novas datas confirmadas.

O brasileiro Andrew Parsons, presidente do IPC, ressaltou nesta terça-feira, por meio da nota oficial divulgada pela entidade, que o adiamento dos Mundiais ocorreu depois de uma "situação sem precedentes para o Movimento Paralímpico" e agradeceu pelo apoio que os membros deste movimento deram ao povo do México depois dos "trágicos terremotos do mês passado".

"Depois de realizarmos todas as verificações de segurança nas sedes (de competições), nos hotéis das equipes e em toda infraestrutura relacionada, nós decidimos remarcar os Mundiais para dois meses depois do originalmente planejado", afirmou Parsons, lembrando também que a permanência dos eventos no mesmo local também servirá para "mostrar nosso apoio às pessoas da Cidade do México e para dar a todos atletas que passaram o ano treinando para este evento a oportunidade de competir no mais alto nível" das respectivas modalidades.

Após os terremotos que atingiram o México no mês passado, o IPC e Fundação Agitos também lançaram uma campanha global para arrecadar fundos para apoiar os esforços humanitários da Unicef no país. Até esta data, cerca de US$ 40 mil (cerca de R$ 125 mil) foram arrecadados por meio desta campanha.

Os locais onde as competições serão realizadas na Cidade do México sofreram apenas pequenos danos. Entretanto, alguns dos hotéis que hospedariam atletas foram gravemente danificados, fato que colaborou para que os eventos fossem adiados e agora oficialmente remarcados, tendo em vista a grande logística que envolve todo este processo de reagendamento.

A delegação da seleção brasileira de natação viajaria para o México justamente no mesmo dia 19 de setembro em que o país foi atingido pelos fortes terremotos. Porém, o embarque marcado para a mesma noite do dia 19 foi cancelado, poucas horas depois de os atletas, entre eles o astro paralímpico Daniel Dias, terem realizado, em São Paulo, o último treino em solo nacional visando o Mundial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.