Argentina Andrea reina na patinação

O tipo mignon e o jeito tímido podem enganar, mas os melhores atletas da patinação in line de velocidade conhecem bem a argentina Andrea Gonzalez. Na terça-feira, ela cumpriu uma rotina: vencer. Em São Paulo, foi ouro nos 300 metros contra o relógio nos Jogos Sul-Americanos. Nesta quarta, venceu a Rota 500 m. A única coisa que a incomoda é ser superada, o que raramente acontece. ?Para ela, ganhar é normal, quase rotina?, diz um dos médicos da equipe argentina. A partir do dia 22, Andrea disputará o Mundial da Bélgica, em que tentará aumentar sua coleção de medalhas de ouro ? tem sete, sempre em provas de velocidade. Nos 300 m contra o relógio, foi campeã em 1998, 2000 e 2001. Em 2002, é a favorita, mas prefere não mostrar muitas expectativas. ?Não dá para dizer se vou ganhar. Todo ano aparece uma atleta nova para surpreender.? Andrea diz que sempre teve apoio para poder se dedicar à patinação. ?Comecei aos 9 anos, por brincadeira. Aos 10, passei às corridas.? Quatro anos depois, chamada para a pré-seleção argentina, começou a pensar em seguir carreira. A família não se opôs. ?Nem adiantaria, porque eu patinaria de qualquer jeito.? Apesar da crise financeira na Argentina, Andrea consegue viver de incentivos que o governo oferece aos atletas. ?O esporte também foi afetado e os patinadores têm tido dificuldades para competir no exterior?, disse o chefe da missão argentina, Mário Moccia. Segundo ele, o esporte está longe da popularidade do futebol, mas há regiões em que é bastante difundido, como Mar del Plata ? onde encontrar pessoas patinando nas ruas é comum ? , Buenos Aires, Neuquén, Rosário e Jujuy.

Agencia Estado,

07 Agosto 2002 | 18h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.