1. Usuário
Assine o Estadão
assine


As principais obras da Olimpíada de 2016 mal saíram do papel

Tiago Rogero - O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2012 | 03h 07

Construções no Parque Olímpico tiveram início só em julho; complexo esportivo aguarda licitação

RIO DE JANEIRO - Na última inspeção que fez ao Rio, em junho, o Comitê Olímpico Internacional (COI) se mostrou preocupado com o atraso das duas principais obras para os Jogos de 2016: o Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, e o complexo esportivo de Deodoro. Juntos, os espaços vão receber as disputas de 22 modalidades. As obras do Parque, depois de serem contestadas até na Justiça, finalmente começaram, em julho. As de Deodoro, no entanto, sequer têm previsão de início.

A responsabilidade pela execução é do governo do Rio, mas os recursos são da União. Ambos ainda trabalham para produzir o escopo do edital para contratação do "masterplan" (planejamento de toda a área), e dos projetos básico e executivo. Segundo a secretaria estadual da Casa Civil, não há estimativa de custo, justamente porque os projetos ainda não foram contratados.

E tampouco há previsão de lançamento da licitação. O prefeito Eduardo Paes, na entrevista coletiva que marcou os quatro anos antes dos Jogos do Rio, falou em "até o fim de agosto". Mas a secretaria da Casa Civil, responsável pela licitação, informa apenas que será "em breve".

O complexo esportivo terá oito instalações, entre elas a vila de árbitros. Quatro vão ser construídas totalmente: o Parque Radical do Rio, que terá canoagem, mountain bike e BMX; e a arena de esgrima. As demais instalações serão reaproveitadas do Pan de 2007 e readequadas para os Jogos Olímpicos.

Uma via expressa está sendo construída para ligar Deodoro à Barra da Tijuca, onde ficará também a Vila dos Atletas. A Transolímpica terá 23 km de extensão e contará com uma linha de BRT (transporte rápido por ônibus, na sigla em inglês).

Coração dos Jogos. Em janeiro, a licitação para a construção do Parque Olímpico chegou a ser suspensa pela Justiça, mas a prefeitura conseguiu decisão favorável e ela foi lançada em 6 de julho. O consórcio Rio Mais, formado pelas construtoras Norberto Odebrecht, Andrade Gutierrez e Carvalho Hosken, venceu a Parceria Público-privada licitada pela prefeitura.

O Parque vai sediar a disputa de 14 modalidades olímpicas e nove paralímpicas. Antes de começar a obra, a prefeitura teve de lidar com duas questões: a construção de um novo espaço na cidade para corridas - imposta pela Confederação Brasileira de Automobilismo já que o autódromo de Jacarepaguá está sendo demolido - e a remoção dos cerca de 4 mil moradores da comunidade Vila Autódromo.

Foram os dois impasses que resultaram nas ações de janeiro. No caso dos moradores, a prefeitura garantiu que a transferência para um "condomínio de qualidade" que será construído a menos de 1 km da Vila. Já o novo autódromo será erguido em Deodoro. O terreno foi contestado pelo Ministério Público, que recomendou escolher novo local por risco de dano ambiental. O Exército, dono da área, rejeitou a ideia. Por ora, o governo do Estado aguarda o projeto executivo, que será definido pela União. Assim como o complexo esportivo de Deodoro, o autódromo terá recursos do governo federal, mas a responsabilidade da licitação e execução será estadual.