Mark Blinch/Reuters
Mark Blinch/Reuters

Atleta de Uganda vence Maratona de Londres; Marilson termina em 5.º

Brasileiro Franck Caldeira, que chegou a liderar corrida, concluiu a prova na 13ª posição

AE, Agência Estado

12 Agosto 2012 | 09h34

LONDRES - Stephen Kiprotich, de Uganda, superou neste domingo a concorrência de atletas do Quênia para vencer a maratona dos Jogos de Londres com o tempo de 2h08min01. Os três brasileiros inscritos para a prova, realizada no último dia da Olimpíada, tiveram boa participação, mas ficaram fora do pódio. O melhor resultado foi de Marilson Gomes do Santos, que terminou na quinta colocação, com o tempo de 2h11min10.

Kiprotich teve disputa acirrada com dois atletas do Quênia, que completaram o pódio da maratona da Olimpíada de Londres. Abel Kirui ficou na segunda colocação, 26 segundos atrás do vencedor, com 2h08min27. Já Wilson Kipsang Kiprotich foi o terceiro com a marca de 2h09min37.

Principal esperança de medalha do Brasil na maratona, Marilson teve bom rendimento, mas não conseguiu acompanhar o ritmo dos três primeiros colocados no final da prova e ainda foi ultrapassado nos últimos metros pelo norte-americano Mebrahtom Keflezighi, que ficou na quarta posição.

Paulo Roberto de Almeida terminou a disputa na oitava colocação, com o tempo de 2h12min17. Já Franck Caldeira, que chegou a liderar a maratona nos primeiros quilômetros, concluiu a disputa na 13ª posição, em 2h13min35. Assim, o Brasil encerrou a sua participação no atletismo dos Jogos de Londres sem subir ao pódio.

O tempo da vitória de Kiprotich foi mais lento do que o recorde mundial, do queniano Patrick Makau Musyoki, com 2h03min38, obtido em setembro de 2011, e também do recorde olímpico, que é do queniano Samuel Wanjiru, que morreu em 2011, e obteve a marca de 2h06min32. Com essa vitória, o maratonista encerrou um longo jejum de Uganda, que não conquistava uma medalha olímpica desde os Jogos de Atlanta, em 1996.

O percurso da maratona da Olimpíada de Londres, com 42,195 quilômetros, passou por locais famosos de Londres, como o Palácio de Buckingham e a Trafalgar Square. Ele possuiu mais de 90 curvas, o que dificultou o desempenho dos 115 atletas inscritos na tradicional prova.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.