Brasil ganha 2 bronzes no ciclismo

A equipe brasileira conseguiu nesta terça as duas primeiras medalhas nas provas de ciclismo nos 7º Jogos Sul-Americanos. Robson Batista Vieira, de 28 anos, foi terceiro na prova de velocidade masculina, enquanto Rosane Kirch, 26 anos, ganhou bronze na prova por pontos feminina. "Foi suado, mas estamos no caminho certo", comemorou o técnico Iverson Ladewig. Segundo ele, a estruturação do esporte é recente. "Temos que renovar e recomeçar." Vieira, conhecido como Bodão, dedicou sua medalha ao ciclista Diogo Bonini Marques, que se acidentou no domingo, quando disputava as oitavas-de-final da prova. Marques era esperança de medalha e Bodão conseguiu garanti-la. Segundo ele, nos oito anos de carreira, esta é sua medalha mais importante, a primeira em competição internacional. Paulista de Guarulhos, o ciclista treina em São Caetano. "Estamos em um nível bom", considerou. A paranaense Rosane Kirch, que pratica o ciclismo há apenas três anos e realizava sua segunda prova por pontos nesta terça, não reprimia a emoção após o bronze. "Só quem está aqui sabe o que é essa emoção", disse. "Vou guardar a medalha como se fosse de ouro, vai ficar emoldurada na sala de estar da minha casa." Segundo o técnico Ladewig, a falta de experiência da atleta fez com que perdesse a prata nos últimos instantes da prova. Rosane reconheceu, no entanto, que um acidente com a venezuelana Daniela Larreal, que tinha conseguido um ouro na velocidade pela manhã, ajudou-a. Larreal chocou-se com sua própria companheira de equipe, Angie Gonzales, e bateu a cabeça. Ela foi atendida pela equipe médica no próprio velódromo e recebeu 12 pontos no supercílio esquerdo, antes de ser levada ao Hospital Vita para exames mais aprofundados. Angie Gonzales também machucou o joelho, mas levantou-se e continuou na prova, conseguindo a medalha de prata.

Agencia Estado,

06 Agosto 2002 | 17h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.