Brasil termina o dia em quarto no Mundial de Ginástica

Depois de fazer uma boa apresentação nesta segunda-feira, a equipe feminina do Brasil conseguiu o quarto lugar no primeiro dia de provas classificatórias do Mundial de Ginástica, na cidade de Aarhus, na Dinamarca. A seleção formada por Daiane dos Santos, Laís Souza, Daniele Hypólito, Camila Comin Juliana Santos e Bruna Costa somou 230.475 pontos, sendo superada apenas por Austrália (231.700), Romênia (232.600) e Estados Unidos (243.325). A posição brasileira ainda não é definitiva. Afinal, nesta terça-feira acontece o segundo e último dia de provas classificatórias. Mas a equipe do Brasil ficou bem perto de garantir presença na final do Mundial e de conseguir uma das 24 vagas no Pré-Olímpico do ano que vem. ?Ainda temos de aguardar as apresentações de amanhã para ter uma definição das posições, mas tivemos um excelente desempenho nesta segunda-feira. Tanto que superamos países fortes, como Alemanha, Polônia e Canadá?, avaliou Eliane Martins, coordenadora da seleção brasileira. O destaque da apresentação brasileira nesta segunda-feira foi Laís Souza, que ficou com o quarto lugar na classificação individual geral do Mundial. A soma de suas notas nos quatro aparelhos foi 59.875, sendo que a primeira posição foi da norte-americana Chellsie Memmell, com 61.350. Daniele Hypólito também foi bem, com a 13ª colocação (nota 57.800). Assim, ao lado de Laís Souza, ela tem boas chances de garantir uma das 24 vagas na final do individual geral. Enquanto isso, Daiane dos Santos ficou apenas com a 105ª colocação no individual geral (44.325). Até mesmo na sua especialidade, os exercícios de solo, na qual conquistou o título mundial em 2003, ela não foi tão bem: conseguiu a 5ª melhor nota na classificatória da prova. Já as outras brasileiras da equipe tiveram participação modesta. Bruna da Costa ficou em 115º lugar (41.850), Camila Comin foi a 119ª colocada (40.075) e Juliana Santos terminou na 121ª posição (38.475).

Agencia Estado,

16 Outubro 2006 | 16h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.