Brasil vai bem no ciclismo de pista

No último dia de disputas de ciclismo em pista nos 7º Jogos Sul-Americanos, o Brasil conseguiu sua terceira medalha de bronze, na prova keirin masculino, realizada no Velódromo Municipal do Jardim Botânico, em Curitiba. A medalha conseguida pelo paulista Estevan Ciampone Mancinni, de 26 anos, foi muito comemorada pela equipe brasileira. "Foi um resultado muito bom, gratificante", disse o ciclista. Pela primeira vez na seleção brasileira, esta é também a primeira medalha internacional do atleta. "Foi uma prova tática", explicou. Ele tinha acertado com o companheiro Armando Camargo que aquele que estivesse mais rápido na última volta teria a ajuda do outro para que o caminho ficasse livre. "Se não fosse a ajuda dele dificilmente conseguiria a medalha", afirmou. Esta foi a primeira vez que eles disputaram a prova, para a qual sequer tinham treinado. O ciclismo brasileiro ainda não tem tradição em provas de pista, por isso as três medalhas de bronze (as outras foram conseguidas por Rosane Kirch na prova por pontos feminina e por Robson Batista Vieira, na masculina de velocidade) foram tão comemoradas. "Significa que estamos crescendo", analisou Mancinni, que é professor em uma escolinha de ciclismo em Americana (SP). O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Nuzman, esteve na terça-feira em Curitiba, para uma solenidade. Segundo ele, a organização nas quatro sedes dos Jogos Sul-Americanos (Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro e Belém) está sendo "magnífica". Nuzman também elogiou os atletas. "É a melhor performance em jogos sul-americanos", analisou. "Há uma evolução qualitativa em todas as modalidades, independente de medalhas." No dia 24 de agosto, o Brasil irá pleitear, em reunião a ser realizada na Cidade do México, a possibilidade de sediar os Jogos Pan-Americanos.

Agencia Estado,

07 Agosto 2002 | 17h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.