Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Briga contra rebaixamento faz Palmeiras passar do céu ao inferno em 1 mês

Atual campeão da Copa do Brasil, time tenta sair das últimas posições na tabela do Brasileirão 2012

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2012 | 03h07

SÃO PAULO - O Palmeiras foi campeão da Copa do Brasil no dia 11 de julho, com o rótulo de um time guerreiro, vencedor e difícil de ser batido. Mas, menos de um mês depois, o discurso mudou radicalmente. Em vez de título do Brasileiro, o assunto é brigar contra o rebaixamento e as justificativas lembram bastante aquele Palmeiras de antes da conquista.

A garra não é mais a mesma. O time mostra vontade, mas não a dedicação que o levou a passar por adversários como Grêmio e Coritiba. Para o presidente Arnaldo Tirone, a 18.ª colocação é decorrente do relaxamento, segundo ele natural, pela conquista da Copa do Brasil.

"Isso acontece com vários times que são campeões. Existe a queda normal, já que relaxamos mesmo", lamentou o dirigente, que, entretanto, deixou claro não se preocupar com a possibilidade de ser rebaixado. "Isso não me preocupa. Temos ainda muitos jogos pela frente e, com todo respeito aos outros times, o Palmeiras não vai ficar para trás."

E, para explicar os motivos da equipe estar tão mal na tabela, a palavra união volta a ser lembrada. Durante a comemoração do título, muito se falou sobre o fato da equipe estar muito unida. "Estamos cometendo alguns erros que não cometíamos. Sei que é meio clichê, mas temos que conversar, admitir o que cada um errou e nos unir mais", destacou o goleiro Bruno.

A dependência das bolas paradas de Marcos Assunção, as falhas de posicionamento da defesa e a falta de combatividade em alguns momentos do jogo fazem o torcer lembrar de um passado recente, mas pouco feliz.

"Não dá para ficar bravo só quando o jogo acaba e no dia seguinte estar tudo bem. O Palmeiras é um time grande e não pode ficar nesta situação. Se continuar assim, vão vir cobranças de novo e voltaremos a viver sob pressão", disse Assunção.

Visita à arena. Os jogadores, comissão técnica e diretoria do Palmeiras visitaram ontem as obras da Arena Palestra e ficaram encantados com o lugar. "Joguei em muitos estádios na Europa e posso falar com certeza que o estádio vai ficar melhor do que muitos de lá", disse Assunção.

Maurício Ramos projeta a arena como um caldeirão. "Com essa arena, com certeza seria diferente a nossa situação porque qualquer time que viesse aqui ia jogar na nossa casa. Até porque, em Barueri a torcida não vai."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.