Dominic Ebenbichler/Reuters
Dominic Ebenbichler/Reuters

Bronze nos 1.500m, Mellouli vence maratona aquática

Tunisiano conquistou o primeiro ouro para seu país a poucos dias do fim dos Jogos de Londres

AE, Agência Estado

10 Agosto 2012 | 10h25

LONDRES - O tunisiano Oussama Mellouli venceu nesta sexta-feira a maratona aquática, de 10 quilômetros, dos Jogos de Londres. A prova, realizada no lago Serpentine do Hyde Park, foi a última competição da natação nesta edição da Olimpíada. O medalhista de ouro completou o percurso no tempo de 1h49min55s1.

Antes de vencer a maratona aquática, Mellouli já havia faturado outra medalha nesta edição dos Jogos. O nadador tunisiano terminou a prova dos 1.500 metros, vencida por ele na Olimpíada de 2008, na terceira colocação. Agora, próximo do encerramento da Olimpíada, ele conquistou o primeiro ouro do seu país em Londres.

A maratona aquática entrou no programa olímpico nos Jogos de Pequim, em 2008, quando a versão masculina foi vencida pelo holandês Maarten van der Weijden, em 1h51min51s6. Assim, além de faturar o ouro nesta sexta-feira, Mellouli registrou um tempo mais rápido do que o do vencedor da edição anterior da maratona aquática.

Disputada no lago do Hyde Park, a maratona aquática teve um percurso de seis voltas. Mellouli sempre esteve entre os primeiros colocados e terminou o quinto giro na liderança. Assim, sem ser ameaçado pelos adversários nos metros finais, conquistou a sua segunda medalha em Londres.

O alemão Thomas Lurz, medalhista de bronze da maratona aquática em Pequim, ficou na segunda colocação, com o tempo de 1h49min58s5. O pódio foi completado pelo canadense Richard Weinberger, que concluiu a prova na terceira posição ao completar os 10 quilômetros em 1h50min00s3.

A versão masculina da maratona aquática não contou com a participação de brasileiros. Na quinta-feira, Poliana Okimoto abandonou a disputa da prova feminina, vencida pela húngara Eva Risztov, ao passar mal. Ela teve hipotermia e precisou deixar a prova carregada pela organização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.