Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Caixa corta R$ 4 milhões de verba para Confederação de Atletismo até 2020

Repasse de patrocínio para CBAt será de R$ 60 milhões neste ciclo olímpico

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

30 Maio 2017 | 14h44

A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e a Caixa Econômica Federal formalizaram na última semana a renovação do contrato de patrocínio para este ciclo olímpico. O presidente José Antonio Martins Fernandes, o Toninho, anunciou nesta terça-feira, na sede da entidade em São Paulo, que o repasse será de R$ 60 milhões até 2020 - sendo R$ 13 milhões neste primeiro ano de acordo.

O valor representa uma redução em relação ao quadriênio compreendido entre 2013 e 2016. No último ciclo olímpico, o acordo com a Caixa rendeu ao atletismo brasileiro um total de R$ 90 milhões, sendo que R$ 16 milhões/ano foram designados para atividades da CBAt e outros R$ 6,5 milhões/ano para o Brasil Medalha - programa de investimento em atletas de alto rendimento com chances de subir ao pódio nos Jogos do Rio, em 2016. Na prática, o aporte para a entidade é R$ 4 milhões menor pelos próximos quatro anos.

"Tivemos um decréscimo, eram R$ 64 milhões no último ciclo olímpico com a Caixa. Referente aos R$ 90 milhões, eram dois contratos, um de patrocínio e outro com o Ministério do Esporte", explica Toninho. Segundo o presidente, o termo inicial com o valor divulgado em 2013 foi desmembrado pelo banco estatal e, atualmente, o segundo compromisso foi extinto.

No novo contrato, a CBAt deve seguir 14 programas, entre eles, o auxílio às federações. Além disso, a Confederação Brasileira de Atletismo premiará os atletas brasileiros que tenham obtido recordes ou conquistado medalhas nos Campeonatos Mundiais. 

"Mudamos o foco de fonte de repasse de verba aos atletas, a gente está trabalhando em cima do que o COB e o Ministério do Esporte estão exigindo, ou seja, meritocracia. A gente vai atrás de resultado. Atleta hoje tem várias fontes de receita: clube, Forças Armadas, Bolsa Pódio, Bolsa Atleta. Para a Confederação, esse convênio vai ser baseado em resultados, em performance dos atletas", justificou o presidente.

Na categoria adulto, os valores para bonificação foram destrinchados em R$ 5 mil para recorde brasileiro, R$ 8 mil para sul-americano e R$ 50 mil para marca mundial. Entre os critérios estabelecidos, fica designado que o treinador receberá o equivalente a 50% do valor obtido por seu atleta.

Em caso de medalhas em Mundiais Adultos, o campeão embolsará R$ 80 mil, o segundo colocado terá direito a R$ 60 mil, enquanto o terceiro lugar ficará com R$ 40 mil. Nas outras categorias, os valores são inferiores.

A entidade disse também entender que não deve fazer diferenciação entre os atletas de pista e de rua. Com isso, a CBAt decidiu colocar fim a partir do próximo ano ao Programa Nacional de Apoio a Corredores de Elite, que atendia os atletas classificados do 1º ao 10º lugar, no masculino e feminino, no ranking de corredores de rua. Os atletas recebiam uma ajuda de custo mensal. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.