Robert Ghement/EFE
Robert Ghement/EFE

Campeã no arremesso de peso perde ouro por doping

Além da bielo-russa, oito atletas foram pegos no antidoping, mas os resultados não afetaram a distribuição de medalhas

AE, Agência Estado

13 Agosto 2012 | 09h02

LONDRES - O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou nesta segunda-feira que a bielo-russa Nadzeya Ostapchuk vai perder a medalha de ouro conquistada no arremesso de peso nos Jogos Olímpicos de Londres, finalizado no domingo, após ser flagrada em exame antidoping.

Ostapchuk testou positivo para a substância metenolona, esteroide anabolizante proibido pela Agência Mundial Antidoping, em duas amostras, colhidas antes e depois da disputa do arremesso de peso. A final da modalidade foi realizada na segunda-feira passada.

"O Comitê Olímpico da Bielo-Rússia foi solicitado a devolver ao Comitê Olímpico Internacional a medalha, o diploma e o bottom concedidos à atleta, assim que possível", anunciou o COI, em nota oficial.

Com a decisão, a bielo-russa se tornou a primeira atleta dos Jogos de Londres a perder uma medalha por doping. A neozelandesa Valerie Adams vai herdar o título olímpico, enquanto a russa Evgeniia Kolodko ficará com a prata e a chinesa Gong Lijiao, que havia ficado em quarto lugar, receberá a medalha de bronze.

Além de Ostapchuk, outros oito atletas foram pegos em exames antidoping no período oficial de testes para a Olimpíada, a partir do dia 16 de julho. Os resultados não chegaram a afetar a distribuição de medalhas. Em um dos casos, o judoca norte-americano Nick Delpopolo foi flagrado com vestígios de maconha no exame.

Ele foi desclassificado na categoria até 73kg, assim como a corredora síria Ghfran Almouhamad, após teste positivo para um estimulante. Ela, no entanto, já havia sido eliminada da disputa nos 400 metros com barreiras.

"Acho que este é um sinal de que o sistema funciona", declarou o presidente do COI, Jacques Rogge, no domingo, ao fazer um balanço sobre o sistema de controle antidoping. O caso de Ostapchuk só foi divulgado após as avaliações gerais do COI. "Estou feliz por podermos flagrar estes casos antes e durante os Jogos", disse Rogge.

O COI tem reiterado que os Jogos de Londres contaram com o maior programa antidoping da história, com cerca de 6 mil amostras de urina e sangue. Ainda no domingo, Rogge destacou que ainda há testes sendo realizados. "Podemos ficar sabendo de novos fatos amanhã ou depois. Espero que não, mas nunca se sabe", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.