COB: Jogos vão depender da Colômbia

O Brasil somente vai participar dos Jogos Sul-Americanos, previsto para Bogotá, na Colômbia, entre os dias 6 e 16 de abril, se o governo daquele país e os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, (Farc) "derem garantias de segurança" para a realização do evento. Esta foi a condição imposta pelo presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, e que será defendida pelo dirigente em uma reunião que decidirá o futuro dos Jogos, na quarta-feira, no Rio. ?Por enquanto, estamos nos Jogos", afirmou Nuzman, que lamentou a desistência da Venezuela. Ele disse ter sido informado que o Paraguai também deve se retirar da disputa. A Colômbia vive um momento político conturbado, com seqüestros, assassinatos e atentados, depois que o governo e as Farc interromperam as negociações de paz. Diante desse quadro, todos os 14 participantes dos Jogos estão com medo de viajar para Bogotá. No total, cinco mil atletas deveriam competir. A delegação brasileira será formada por 608 pessoas, sendo 468 atletas, que estão inscritos em 34, das 35 modalidades do evento. A solução sobre a realização ou não do Sul-Americano na Colômbia será tomada em uma reunião na próxima quarta-feira. Se for constatado que o país não tem condições de realizar a competição, ela poderá ser adiada, transferida para outra sede ou cancelada. Seminário - Nos dias 18 e 19 de março, será realizado no Rio o primeiro Seminário sobre Candidatura para Jogos Olímpicos. O Comitê Olímpico Internacional (COI) deseja informar a todas as cidades interessadas como devem proceder para serem candidatas a abrigar uma Olimpíada. No seminário, os interessados serão informados das exigências e assistirão a palestras com dirigentes que já passaram pela experiência de realizar uma Olimpíada. O Brasil já demonstrou interesse em sediar os Jogos Olímpicos de 2012 ou 2016. As cidades de São Paulo e Rio de Janeiro já demonstraram interesse em representar o País nesta disputa.

Agencia Estado,

07 Março 2002 | 20h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.